Empresa israelense produz substituto do leite materno

A empresa israelense de foodtech Wilk conseguiu produzir em laboratório a proteína humana lactoferrina, que tem uma afinidade muito forte com o ferro.

A lactoferrina funciona regulando a resposta imune celular em diferentes níveis. Em indivíduos saudáveis, estaria na vanguarda do sistema de defesa imunológica e protege contra invasões infecciosas graças à sua capacidade única de se ligar ao ferro, usado por uma ampla gama de organismos patogênicos e tumores para crescer e se reproduzir. Esta proteína desempenha, portanto, um papel nas primeiras linhas de defesa imunológica.

Dadas as suas propriedades, a lactoferrina é essencial para o organismo e também é utilizada na indústria farmacêutica.

Esta proteína encontra-se no leite cru e em quantidades muito grandes no leite materno – as suas concentrações são 5 a 10 vezes superiores às do leite de vaca. Nenhuma fórmula infantil, até hoje, contém tanta lactoferrina quanto o leite materno.

A empresa israelense Wilk, com sua descoberta, permitirá grandes avanços no mundo da alimentação infantil e na indústria farmacêutica. De fato, se a lactoferrina puder ser produzida em laboratório, sem precisar depender do leite materno ou de vaca, ela se tornará muito mais acessível.

LEIA TAMBÉM

Assim, os substitutos do leite para bebês podem ser ricos em lactoferrina e estar ainda mais próximos do leite materno.

Além disso, foi recentemente comprovado que a lactoferrina também pode se ligar aos receptores através dos quais o vírus Corona entra no corpo e entra nos sistemas digestivo e respiratório. Poderia, portanto, ser um obstáculo à contaminação e prevenir formas graves do vírus.

Fonte: LPH Info
Foto: Canva