Hoteleiros céticos em relação à volta do turismo

A decisão do governo de abrir as fronteiras de Israel aos visitantes foi recebida com ceticismo por operadores do turismo, que apontam que os requisitos de vacinação COVID-19 do plano limitam muito a lista daqueles que teriam permissão para entrar.

A maioria dos turistas foi efetivamente proibida de entrar em Israel desde o início da pandemia do coronavírus, em março de 2020. A reabertura das fronteiras foi adiada várias vezes ao longo do ano, à medida que as infecções por COVID aumentavam e diminuíam.

Na semana passada, o Gabinete do Primeiro Ministro disse que os ministros concordaram em abrir as fronteiras de Israel a partir de 1º de novembro para turistas que foram vacinados contra o COVID-19 ou se recuperaram da doença.

No entanto, há uma série de condições, como ter recebido pelo menos uma dose de reforço nos seis meses anteriores e os turistas não chegarem dos chamados “países vermelhos”, aqueles com altas taxas de infecção por vírus.

O prazo significa que qualquer possível turista cuja dose de reforço mais recente foi antes de 1º de maio não poderá viajar para Israel.

Proprietários de hotéis em Jerusalém, Tel Aviv, Nazaré e Belém não viram um aumento significativo nas reservas, diz a reportagem da Reuters.

LEIA TAMBÉM

A CEO da Associação Hoteleira de Israel, Yael Danieli, lembrou que muitos países ainda não começaram a administrar doses de reforço em suas populações. Enquanto Israel foi pioneiro em dar a terceira dose à sua população em uma campanha que começou em agosto, outros países seguiram apenas um regime de vacinação de duas doses.

“Quantos turistas no mundo realmente receberam reforços ou estão naquele período de seis meses após a segunda dose?”, disse ela.

Outra restrição é que crianças com menos de 12 anos não são elegíveis para a vacinação e, portanto, não teriam permissão para entrar em Israel, mesmo que seus pais fossem, observou ela.

Danieli disse que o governo deve permitir que turistas individuais desfrutem das mesmas regras que já estão em vigor para pequenos grupos de turismo, que estão isentos da regra de seis meses, com a condição de que os membros do grupo façam testes de vírus a cada 72 horas durante as primeiras duas semanas no país.

“Só queremos tornar as coisas mais fáceis para os turistas, para que eles voltem”, disse ela. “Não podemos dizer quantos poderão vir com essas regras”.

Joey Canavati, gerente do Bethlehem’s Alexander Hotel, disse à Reuters que embora os planos para novembro sejam um “grande passo”, ele não espera nenhuma grande mudança no número de turistas até o próximo ano.

“No momento, queremos apenas estancar o sangramento, parar de usar nossas economias”, disse ele.

Segundo os novos regulamentos, apenas os turistas que foram vacinados durante os 180 dias antes de embarcarem terão permissão para entrar em Israel. No caso da vacina Pfizer, devem ter decorrido sete dias entre a segunda ou terceira dose e a entrada em Israel. No caso da Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson (uma dose, não duas), Sinovac e Sinopharm, devem ter decorrido 14 dias.

Depois de anunciar o plano na semana passada, o Gabinete do Primeiro Ministro disse que o esquema, que ainda deve ser aprovado pelo gabinete do coronavírus, pode ser atualizado para levar em consideração qualquer ameaça representada por novas variantes . Vários casos da nova variante AY4.2 já foram diagnosticados em Israel.

A regulamentação atual permitiu que os turistas começassem a chegar em grupos organizados em maio, embora em número muito limitado. Além disso, parentes de primeiro grau de cidadãos ou residentes israelenses puderam solicitar autorizações para viajar ao país.

De acordo com as regras atuais, todos os viajantes para Israel devem fazer um teste PCR nas 72 horas antes de sua partida e devem fazer um segundo teste quando chegarem ao Aeroporto Ben Gurion. Os passageiros vacinados devem permanecer em quarentena por 24 horas ou até receberem um resultado negativo no teste. Os que não forem vacinados devem permanecer em quarentena por 14 dias, podendo esta ser abreviada para sete dias com dois testes negativos, nos primeiro e sétimo dias.

Israel parece estar no fim de sua quarta onda de coronavírus, com o número de novas infecções e casos graves diminuindo nas últimas semanas.

Os números do turismo caíram 80% em 2020, uma queda em relação aos números recordes em 2019, que valeram US  7,2 bilhões para a economia do país.

Fonte: The Times of Israel

2 thoughts on “Hoteleiros céticos em relação à volta do turismo

Fechado para comentários.