Bennett aprova plano para entrada em Israel em novembro

O primeiro-ministro Naftali Bennett e os ministérios da Saúde e do Turismo aprovaram, nesta quinta-feira, um plano para permitir que turistas vacinados e recuperados entrem no país a partir de 1º de novembro.

De acordo com o plano, que ainda deve ser ratificado por todo o governo, turistas que se vacinaram com as vacinas Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sinovac ou Sinopharm nos últimos seis meses poderão entrar no país.

Especificamente, os indivíduos que tomaram a vacina Pfizer são elegíveis para entrar se pelo menos sete dias se passaram desde o recebimento da segunda dose e não mais do que 180 dias. Para os que tomaram as outras vacinas, são necessários há pelo menos 14 dias e não do que 180 dias.

Além disso, qualquer pessoa que recebeu uma dose de reforço dessas vacinas nos últimos seis meses também poderá entrar em Israel.

Indivíduos recuperados que podem mostrar que tiveram teste positivo pelo menos 11 dias antes da entrada em Israel e não mais de 180 dias também são elegíveis para entrar.

Após os seis meses (180 dias), os indivíduos que receberam reforço, também podem entrar no país.

LEIA TAMBÉM

O turismo em grupo também será expandido. Os membros do grupo deverão ter sido vacinados com uma vacina aprovada pela Organização Mundial de Saúde. Estes turistas terão que fazer um teste rápido de antígeno diário ou um teste de PCR a cada 72 horas durante os primeiros 14 dias de sua visita.

Os viajantes também não podem ter estado em um país “vermelho” nos 14 dias antes de viajar para Israel.

O plano vem apesar da revelação de que alguns casos da nova variante AY4.2 foram identificados em Israel nos últimos dias e após dois grandes surtos de COVID terem sido relatados em escolas primárias.

Não está claro, ainda, quais documentos os viajantes precisarão apresentar para comprovar o status de vacinação, nem como será o procedimento.

Até agora, Israel não reconheceu oficialmente os documentos de entrada emitidos por estrangeiros e exige que o número limitado de viajantes autorizados a entrar no país se submeta a um teste sorológico para mostrar a presença de anticorpos no sangue.

No entanto, no mês passado, Israel fechou um acordo para aderir ao programa de certificação COVID digital da União Europeia, garantindo o reconhecimento mútuo de passes verdes com 40 outros países.

Para outros países que não emitem documentos eletrônicos semelhantes, como os Estados Unidos, os visitantes devem poder entrar em Israel com seu próprio certificado de saúde, disse a Dra. Sharon Alroy-Preis, chefe dos serviços de saúde pública.

“Eles estão vindo com sua própria declaração de vacinação”, disse ela. “Assim que entrarem, devem apresentar o estado de vacinação e os certificados”.

Fontes: The Jerusalem Post e 1SEO
Foto: Avshalom Sassoni (Flash90)

One thought on “Bennett aprova plano para entrada em Israel em novembro

Fechado para comentários.