Teste a cada 48h para visitante de país com nova cepa

Em meio a temores de um surto de uma nova subvariante do coronavírus e diante de uma esperada flexibilização das regras de entrada para turistas, o Ministério da Saúde recomendará que os visitantes de países onde a cepa foi encontrada sejam testados a cada 48 horas durante sua estada, de acordo com o comunicado divulgado nesta quinta-feira.

Não está claro como, na prática, esse teste intensivo poderia ser realizado.

Atualmente, qualquer pessoa que entra em Israel, independentemente de sua cidadania ou status de vacinação, deve se submeter a um teste PCR antes de partir de um país estrangeiro e após pousar no Aeroporto Ben-Gurion.

Israel está avaliando a reabertura de suas fronteiras para turistas vacinados no mês que vem, um plano que foi adiado várias vezes ao longo do ano, à medida que as infecções por COVID aumentavam e diminuíam. Desde março de 2020, Israel foi efetivamente fechado para o turismo em geral, permitindo a entrada apenas de não cidadãos com permissão especial.

O Gabinete do Primeiro Ministro disse na noite de quarta-feira que o plano de reabertura do turismo proposto, programado para ser apresentado ao Primeiro-Ministro Naftali Bennett nesta quinta-feira, seria “atualizado de acordo com as informações existentes da nova variante”. A proposta de testes intensivos será discutida nessa reunião, noticiou o Canal 12.

LEIA TAMBÉM

Autoridades de saúde disseram que cinco casos de AY4.2 foram diagnosticados retroativamente desde que o primeiro caso conhecido em Israel foi confirmado na terça-feira em uma amostra retirada de um menino que voltou para Israel da Moldávia.

Bennett, esta semana, instruiu as autoridades a reforçar as investigações epidemiológicas e os testes genéticos daqueles que foram diagnosticados com a cepa, bem como a manter uma estreita cooperação e compartilhamento de informações com os países onde a subvariante foi identificada.

Autoridades de saúde estão considerando a quarentena obrigatória para qualquer um que entrar em contato com alguém que teste positivo para a subvariante AY4.2, mesmo que esteja totalmente vacinado e isento de quarentena, disse o Canal 12, na quarta-feira. As autoridades de saúde, no entanto, só realizam o sequenciamento genético de forma seletiva para aqueles com diagnóstico de coronavírus.

A nova variante da cepa Delta, batizada de AY4.2, foi identificada recentemente em vários países do Leste Europeu e no Reino Unido. Na quarta-feira, o Center for Diseases Control disse que os primeiros casos foram encontrados nos Estados Unidos.

François Balloux, diretor do University College London Genetics Institute, disse esta semana que a subvariante pode ser um pouco mais transmissível e está sendo “monitorada de perto”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva