Com 1,75 milhão não vacinados, Israel corre riscos

Israel corre o risco de repetir os erros do passado e não conseguir se proteger contra a próxima onda de COVID, alertou um importante especialista.

O professor Eran Segal disse que, embora Israel pareça ter vencido a variante Delta com vacinas, não deve concluir que o nível atual de inoculação é alto o suficiente para proteger a nação no futuro.

“Estou feliz por termos vencido a quarta onda sem bloqueio, e isso é muito satisfatório, mas estou preocupado por estarmos deixando muitas pessoas que não foram vacinadas ou que não receberam reforço”, disse Segal, estatístico e biólogo computacional do Weizmann Institute of Science, em entrevista ao The Times of Israel.

“Foi um erro no final da terceira onda e será um erro se fizermos algo semelhante no final desta onda”.

De uma população de cerca de 9,3 milhões, Israel tem cerca de 7 milhões de pessoas que são elegíveis para as vacinas. Isso ocorre porque há uma grande população de menores de 12 anos, que atualmente não podem receber vacinas (embora isso possa mudar em breve para o grupo de 5 anos ou mais).

Cerca de 650.000 pessoas que são elegíveis para vacinas não receberam nenhuma das doses, uma fonte de grande preocupação para a comunidade médica.

LEIA TAMBÉM

E enquanto Israel lidera o mundo na aplicação de doses de reforço, para cada quatro israelenses que arregaçam as mangas para receber uma dose de reforço, um recusa-se a fazê-lo. Quando Israel lançou a dose de reforço para todos em agosto, antes do resto do mundo, a população também respondeu bem. Cerca de 4 milhões de pessoas os aceitaram, embora 1,1 milhão não.

Isso significa que, ao todo, 1,75 milhão de israelenses elegíveis não têm proteção da vacina ou carecem do que o governo considera proteção ideal.

Entre os principais analistas do COVID, há amplo consenso de que as taxas de vacinação durante o auge da crise do Delta eram boas: o número de pessoas não vacinadas caiu de 1,4 milhão, quando a variante Delta surgiu, para 650.000.

Nadav Katz, que é responsável por grande parte da modelagem estatística no COVID-19 na Universidade Hebraica, disse: “Acho que o copo está meio cheio. Essa dinâmica, ou seja, conformidade parcial, é esperada, e o impulso de reforço realmente foi melhor do que o previsto pela maioria”.

Mas agora que Israel está fora da zona de perigo de uma onda intensa de COVID, ele consolidará seu sucesso? Segal está preocupado.

“Nós nos saímos muito bem ao lançar o reforço rapidamente, mas não estamos terminando o trabalho”, lamentou. “Se 1,1 milhão de pessoas que não estão recebendo o reforço já aceitaram duas doses, eles não são antivaxxers e podem ser convencidas a tomar também reforços”.

Ele disse que esse grupo de pessoas sem reforços coloca Israel em risco de uma estatística R crescente, a métrica que rastreia as taxas de infecção. “Em algum momento, a imunidade deles diminuirá e isso pode nos colocar em risco de uma estatística R crescente”, comentou Segal.

O número de pessoas que não foram vacinadas conta uma história de sucesso e fracasso, ele acredita.

No início da quarta onda, havia 1,4 milhão de israelenses que não foram vacinados, e uma grande campanha os fez migrar para as clínicas. Por outro lado, Segal pensa que o fato de eles terem sido convencidos tão rapidamente mostra que a abordagem antes da chegada da quarta onda era fraca e sugere a ele que a falta de esforço é a culpada pelo fracasso em obter o número de não vacinados abaixo de 650.000 agora.

“Tínhamos 1,4 milhão não vacinados no início da quarta onda. Em seguida, vacinamos 750.000, e o fato de podermos fazer isso prova que precisávamos ter feito um trabalho melhor ao comunicar a importância da vacinação para que eles tivessem se vacinado antes. Isso é exatamente o que precisamos comunicar agora”, disse ele.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Michael Giladi (Flash90)