Coalizão do governo perde maioria na Knesset

O governo de Israel levou um “baque” nesta quarta-feira, depois que a deputada do Yamina e  líder da coalizão, Idit Silman, anunciou sua renúncia do governo.

Com isso, o governo do primeiro-ministro Naftali Bennett perde a maioria na Knesset, deixando-o lado a lado com a oposição em 60 a 60.

Se outro deputado deixar a coalizão, o governo pode ser derrubado em uma lei trazida pela oposição que dispersaria a Knesset.

Se a oposição tiver maioria, pode tentar formar um governo sem sequer precisar ir às eleições. Quanto mais membros da coalizão desertarem, mais fácil será essa possibilidade.

Silman disse que “não aguentava mais” e que não poderia continuar a minar a identidade judaica do Estado de Israel, uma referência a um desentendimento que teve com o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, sobre permitir chametz (produtos de grãos fermentados) em hospitais, em Pessach.

No entanto, o deputado do Avodá, Gilad Kariv, disse que estava claro que o desacordo sobre o chametz “não era a questão real”, acrescentando que o governo sempre foi cuidadoso quando se tratava de assuntos de religião e estado.

Silman abandonou a coalizão depois que lhe foi oferecido o 10º lugar na lista do Partido Likud em uma futura eleição e o cargo de ministra da Saúde caso o partido – liderado por Netanyahu – formasse com sucesso um governo alternativo.

LEIA TAMBÉM

Em sua carta de renúncia ao primeiro-ministro, Silman disse que ela “se juntou à atual coalizão por um desejo genuíno de produzir unidade e proximidade com base no bem comum que nos une como povo e como estado”.

“Como tentei preservar a união e encontrar o denominador comum e, assim, realizar as importantes tarefas que temos pela frente”, disse ela. “Alguns de nossos parceiros, que ocupam posições-chave na coalizão, provavelmente veem as coisas de maneira diferente e não estão preparados para fazer concessões”.

Mas agora seus valores fundamentais são “inconsistentes com a realidade atual”, disse ela, acrescentando que está “atenta às vozes de fora e ao protesto sincero do eleitorado, cujo apoio nos permitiu vencer e com cujos votos fomos eleitos”.

Ela concluiu apelando à seção da direita que apoia a coalizão para “admitir a verdade” e admitir que eles tentaram e falharam.

“É hora de recalibrar nossa rota. Para tentar estabelecer um governo nacional, judeu e sionista. Vamos dar as mãos e perceber os valores pelos quais fomos eleitos.”

Silman se junta ao parlamentar Amichai Chikli na rebelião contra o Partido Yamina. Chikli votou contra o governo em várias ocasiões, começando por se opor à formação da coalizão em junho passado.

Segundo membros da coalizão, Bennett, que dirige o Yamina, não estava ciente da decisão de Silman e foi pego de surpresa. Ele cancelou sua agenda planejada para o dia para lidar com as consequências de sua demissão.

Bennett deve se reunir com o primeiro-ministro alternativo e ministro do Exterior, Yair Lapid.

No início da tarde desta quarta-feira, ele se encontrou com deputado Nir Orbach e a Ministra do Interior, Ayelet Shaked, também do Yamina, e se reunirá com os demais políticos do partido ao longo da tarde.

Kariv disse que “espera muito que, no final do dia, Idit Silman volte atrás. Ela é a líder da coalizão. Esse movimento só pode levar a um resultado e isso é uma eleição geral. A última coisa que a sociedade israelense precisa no momento é outra campanha eleitoral”.

Yair Golan, do Meretz, chamou Silman de “política oportunista do tipo inferior” e disse que ela estava colocando em risco a estabilidade da coalizão.

Falando à rádio 103FM, a secretária-geral do Yamina, Stella Weinstein, disse que ficou surpresa com a notícia.

Merav Ben-Ari do Yesh Atid chamou a decisão de Silman de irresponsável e “uma grande pena”.

Também reagindo à notícia, Mossi Raz, do Meretz advertiu que “Israel corre o risco de um governo nacionalista corrupto de Ben-Gvir, Netanyahu e Smotrich”.

O ex-primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, parabenizou Silman por sua decisão, agradecendo-lhe “em nome de muitas pessoas em Israel que esperaram por este momento”.

“Apelo a todos os que foram eleitos com os votos do bloco nacionalista para se juntarem a Idit e voltarem para casa. Serão recebidos com todo o respeito e de braços abertos”, concluiu.

O líder do Likud, Yariv Levin, parabenizou Silman por sua decisão, dizendo que ela fez a coisa certa e que está “salvando o Estado de Israel de um processo perigoso e sem precedentes de danos profundos ao caráter judaico do estado e aos fundamentos de sua existência”.

De acordo com funcionários do Likud, Silman não é o único membro da coalizão a considerar a renúncia, e eles disseram que estão esperançosos de que outros seguirão seu exemplo em breve.

Bezalel Smotrich do Partido Religioso Sionista chamou a renúncia de Silman de “o alvorecer de um novo dia” e disse que era o “início do fim para o governo de esquerda não sionista de Bennett”.

O presidente da Lista Conjunta Sami Abou Shahadeh disse que o melhor cenário para a Lista Conjunta seria ir às eleições mais uma vez, insistindo que seu partido não seria uma rede de segurança, “não para Bennett e não para Netanyahu”. Seu partido se reunirá e considerará suas opções ao prosseguir, disse ele, acrescentando que “o Likud não pode contar com nossos votos”.

Grupos de ativistas políticos de direita em todo o país foram às ruas com cartazes em apoio a Silman e pedindo a formação de um governo de direita.

A formação de um governo alternativo na atual Knesset exigirá o apoio de 61 parlamentares para uma moção de desconfiança, a ser seguida por um voto de confiança de 61 no novo governo. Assumindo que a Lista Árabe Conjunta não apoiará um novo governo liderado por Benjamin Netanyahu, a oposição teria que recrutar sete deputados da coalizão. Por enquanto, a probabilidade de isso acontecer é baixa.

Também pode haver uma moção para dissolver a Knesset, depois de 8 de maio, quando o parlamento voltar das férias de primavera. Se isso acontecer, Yair Lapid se tornará automaticamente primeiro-ministro de um governo provisório, com base em seu acordo de coalizão com Bennett.

Fontes: The Jerusalem Post e Jewish Press
Fotos:  Wikimedia Commons

One thought on “Coalizão do governo perde maioria na Knesset

Fechado para comentários.