O incerto futuro político de Israel

Após a saída da deputada Idit Silman do governo, políticos e observadores estão se concentrando na possibilidade de mais deserções da coalizão, que perdeu sua maioria legislativa.

Outras deserções podem ser críticas para os esforços do líder da oposição Benjamin Netanyahu para derrubar o atual governo e instalar um novo ou desencadear novas eleições.

Atualmente, o governo detém 60 assentos, enquanto os 60 assentos da oposição estão divididos em 54 que apoiam uma coalizão religiosa de direita e seis mantidos pela Lista Conjunta, em grande parte árabe, que se opõe tanto ao governo atual quanto a Netanyahu.

Para alcançar a maioria crítica de 61 assentos necessária para substituir o atual governo por um novo, os partidos de oposição de direita precisam atrair mais sete desertores para seu campo, uma tarefa difícil.

O partido Yamina, do primeiro-ministro Naftali Bennett, é considerado o principal alvo, mas o partido completo, que tem seis cadeiras no parlamento, seria suficiente para garantir a Netanyahu uma maioria de 61 votos.

Silman é o segundo legislador de Yamina a desertar. O primeiro foi o Amichai Chikli, e muitos olhos agora se voltaram para Abir Kara.

De acordo com as notícias do Canal 12, Kara manteve uma reunião secreta com Silman e Chikli na quarta-feira, durante a qual os três formularam um possível acordo para se separar oficialmente do Yamina.

LEIA TAMBÉM

O Canal 12 também disse que Kara mentiu para Bennett sobre a reunião, dizendo-lhe que era uma tentativa de convencer Silman a voltar atrás em sua decisão. Kara ainda está ponderando o acordo.

Mais pressão sobre os membros de Yamina chegaram na tarde de quarta-feira do rabino Chaim Druckman do movimento religioso sionista, no qual Yamina encontra grande parte de sua base. Em uma rara declaração, Druckman aplaudiu a saída de Silman e encorajou os adeptos da Torá a seguirem o exemplo.

“Parabenizo Idit Silman pelo passo corajoso e digno que ela deu”, disse Druckman, acrescentando: “Peço aos outros membros da Knesset para quem a Torá é importante para se juntarem a Idit e formar um governo sionista nacional assim que possível”.

Outro membro do Yamina que há muito está insatisfeito com o governo de unidade é a ministra do Interior Ayelet Shaked.

Embora Silman tenha feito um acordo com o Likud – deserção em troca de uma vaga na lista eleitoral do partido e um possível futuro papel como ministro da Saúde – não está claro se o Likud ofereceria as mesmas boas-vindas a Shaked, que tem um histórico de divergências com Netanyahu.

Outro elo fraco poderia ser o deputado Nir Orbach, que falou publicamente sobre seu desconforto com as políticas da coalizão, incluindo aquelas que ele considera anticolonos.

As deserções são vistas como menos prováveis ​​do Nova Esperança, um partido repleto de ex-legisladores do Likud, cuja plataforma se baseia em grande parte na oposição a Netanyahu e seu estilo de governo.

Um prêmio ainda maior poderia ser o partido Azul e Branco, de centro-esquerda, que, com oito cadeiras, é o segundo maior partido da coalizão. As especulações nas últimas semanas giraram em torno de Michael Biton, visto como um possível candidato a abandonar o navio.

O verdadeiro golpe seria garantir o apoio do ministro da Defesa e líder do partido Azul e Branco, Benny Gantz, que tem uma relação cada vez mais tensa com a coalizão.

Durante a sessão de inverno da Knesset, Gantz ficou tão frustrado com sua incapacidade de avançar em sua plataforma legislativa que sabotou os planos de votação da coalizão por uma semana.

O ex-chefe militar, no entanto, foi anteriormente queimado por Netanyahu e não se aliaria facilmente ao ex-primeiro-ministro novamente.

Não está claro o que Netanyahu poderia prometer a Gantz para conquistá-lo novamente. O líder do Likud prometeu a Gantz, em 2020, que ele alternaria o cargo de primeiro-ministro com ele e depois se esquivou do acordo, enviando os israelenses de volta às urnas.

A menos que a oposição dê uma virada e consiga obter sete cadeiras, outra rodada de eleições pode ser novamente o cenário mais provável para o futuro de Israel.

Fonte: The Times of Israel
Fotos: Wikimedia Commons

One thought on “O incerto futuro político de Israel

Fechado para comentários.