Consequências de uma decisão estúpida

Por Marcos L Susskind

No dia 16/07/2021, as ações da Unilever estavam cotadas a 60,60 na bolsa norte-americana. Em 29/12, cinco meses e meio mais tarde, valiam 53,62, uma queda de 12%.

No dia 16/07/2021 as ações da Procter & Gamble, a principal concorrente, que fabrica praticamente os mesmos produtos para os mesmos mercados estavam cotadas a US$ 140,51 na bolsa norte-americana. Em 29/12, cinco meses e meio mais tarde, valiam 164,19, um crescimento de 17%.

Nenhum novo produto foi introduzido por alguma delas, nenhum produto importante foi retirado da lista de ambas. Então, o que causou a imensa diferença de 29% no valor das ações em cinco meses e meio?

O motivo foi a decisão racista da Presidente da subsidiária da Unilever, Ben & Jerry’s, de romper o mais antigo contrato da empresa, com Israel.

Antecedentes

Muito antes de ser parte do grupo Unilever, a Ben & Jerry’s chegou a Israel, em 1987. Até hoje a Ben & Jerry’s tem apenas duas fábricas fora dos USA e a de Israel foi a primeira.

Durante 15 meses, a Ben & Jerry’s pressionou tremendamente para a licenciada de Israel suspender as vendas nas áreas da Samaria, Judeia, Vale do Jordão e Jerusalém Oriental porém ela se opõe às pressões e segue distribuindo o sorvete em todo o país, até que em 19/07/21, a direção mundial da Ben & Jerry’s (Grupo Unilever) anunciou ao mundo que não renovará a concessão da marca em Israel ao fim do contrato atual, em Dezembro de 2022, levada pela militância da sua Presidente Anuradha Mittal junto ao movimento BDS de boicote a Israel.

Primeira consequência

A decisão afeta 100% dos judeus residentes nestas áreas. Porém afeta também cerca de 2. 500.000 de palestinos já que o sorvete não é fabricado nem distribuído nas áreas palestinas e que já não terão acesso ao mesmo.

Segunda consequência

A lei de muitos estados norte-americanos não permite boicotes econômicos. Ato contínuo, muitos fundos de pensão estatais imediatamente se desfizeram das ações da Unilever, empresa mãe da Ben & Jerry ‘s. Muitos indivíduos e gestores de fundos fizeram o mesmo. Diversas redes de supermercados tiraram a marca de suas prateleiras. E, para surpresa geral, a executiva Anuradha Mittal acabou sendo eleita “a antissemita do ano 2021”, título nada lisonjeiro.

Terceira consequência

Esta, a mais grave.

Existem 2.570.000.000 ações no mercado norte-americano. A perda de valor total da empresa nos EUA foi de significativos US$ 17.983.600.000, perda superior ao PIB anual de 65 países, entre os quais Bahamas, Montenegro, Geórgia, Armênia, Ruanda, Suriname e Moçambique.

Os produtos da Unilever

A imensa Unilever, além da marca Ben & Jerry’s, também tem as famosas marcas de produtos pessoais Dove, Lux, Axe, Rexona; alimentos como Chá Lipton, Knorr, Magnum, Hellmann’s, Arisco; produtos para casa como Omo, Persil, Brilhante, Comfort, Vin e uma imensa série de outros produtos.

Boicotar os produtos Ben & Jerry’s?

A decisão cabe a cada um que me lê.

Em seu comunicado, a Ben & Jerry’s diz “opor-se a vender seus produtos em Territórios Palestinos Ocupados”. Eles “se esqueceram” que seus produtos podem ser encontrados em Famagusta, Nicosia, Lefke e outras cidades ocupadas em guerra de agressão da Turquia contra Chipre, guerra esta que forçou a saída de 100% dos grego-cipriotas agredidos pela Turquia, que domina um território que nenhum país no mundo reconhece como seu, o que não incomoda a direção da Ben & Jerry’s.

Fonte: Uziel302, CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)

2 thoughts on “Consequências de uma decisão estúpida

  • 30 de dezembro de 2021 em 19:28
    Permalink

    Pra piorar a situação da Ben & Jerry’s, a afirmação que a Judéia e a Samária são terras conquistadas, é uma grande mentira.
    Primeiro porque existe apenas uma única decisão internacional sôbre essas terras e essa decisão diz claramente, que essas terras pertencem aos judeus. Isso está escrito no item 80 do capítulo 12 da Carta das Nações Unidas, que reafirmou a decisão da Conferência de San Remo de 1920.
    Segundo porque as terras de Israel – de oeste a leste – é dos judeus de acôrdo com o Corão (Suras 7, 10 e 17), a bíblia dos árabes muçulmanos.

  • 30 de dezembro de 2021 em 20:01
    Permalink

    Erro criminal do BDS.
    Erro estratégico estupido da Unilever.
    Toda vez que se mistura negócios com religião ou similares, da’ merda.
    Fiquei muito contente com as consequências.

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: