Crise na educação: faltam 5.600 professores

Cerca de 5.600 cargos de professores permanecem vagos, revelou, no domingo, o Ministério da Educação, que também lida com contínuas ameaças de greve, antes da reabertura das escolas em 1º de setembro.

A escassez é sentida mais fortemente em Tel Aviv e no centro de Israel, onde as escolas carecem de quase 3.500 professores, segundo dados publicados pelo ministério. Outras regiões também estão lidando com a enorme falta de pessoal.

As escolas primárias estão enfrentando um déficit de 424 professores de inglês e 250 professores de ciências, enquanto para as escolas de educação especial e os jardins de infância faltam 1.103 funcionários, acrescentou o ministério. Havia também cerca de 460 vagas de ensino de ciências não preenchidas.

Segundo o jornal Haaretz mais professores deixaram a profissão no ano passado em comparação com os anos anteriores. O número de estudantes universitários que buscam diplomas de licenciatura também caiu de 13.500 durante o ano acadêmico de 2020-2021 para 11.400 em 2022.

Dados publicados em março pelo Escritório Central de Estatísticas revelaram uma queda de 12% no número de novos professores no último ano letivo.

Também no domingo, creches subsidiadas em Israel ameaçaram não abrir durante o próximo ano letivo, acusando o estado de “negligenciar a educação pré-escolar por anos”.

As creches regulamentadas pelo Estado atendem crianças de 3 meses a 3 anos. Elas são operadas por organizações sem fins lucrativos sob supervisão do governo e subsidiadas pelo estado. Os pais contribuem com uma quantia mensal determinada por sua renda, geralmente em torno de NIS 1.000 a 2.000. Como o número de vagas costuma ser limitado, os pais de nível socioeconômico mais baixo são priorizados.

LEIA TAMBÉM

Em entrevista coletiva, as organizações alertaram que não poderiam começar o ano letivo em 1º de setembro devido à “grave falta de pessoal” e uma recomendação recente do Ministério das Finanças para reduzir os subsídios do governo para creches, o que exigiria cobrança de tarifas mais altas dos pais.

Enquanto isso, o Sindicato dos Professores de Israel realizou uma greve nacional no mês passado em disputa salarial com o Ministério das Finanças.

De acordo com um comunicado emitido por um porta-voz do Sindicato dos Professores, o Ministério das Finanças se recusou a oferecer mais de NIS 8.600 como salário inicial para novos professores e concordou apenas com um pequeno aumento mensal para professores mais antigos.

O sindicato está reivindicando que os novos professores ganhem um salário mensal de NIS 10.500, bem como um aumento significativo nos salários dos professores experientes.

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, admitiu que os salários dos novos professores devem aumentar, mas também insiste em mudar a forma como os professores tiram os dias de férias, para deixar os pais com menos dias de trabalho em que seus filhos não têm escola.

Faltando cerca de um mês até a reabertura das escolas, as negociações entre os professores e o governo estão quase paralisadas, devido em grande parte às limitações do governo provisório durante o período eleitoral em curso.

Fonte: The Times of Israel
Foto Canva

One thought on “Crise na educação: faltam 5.600 professores

Fechado para comentários.