Crianças israelenses falham na compreensão da leitura

Cerca de metade das crianças que falam árabe e um quarto das que falam hebraico têm problemas de compreensão da leitura, mostraram esta semana os resultados de um exame realizado em todo o país.

O exame, realizado pelo Ministério da Educação para todos os alunos da quarta série em Israel, também mostrou que apenas 3% dos alunos que falam árabe demonstraram habilidades no nível mais alto do teste, em comparação com 43% dos falantes de hebraico.

Esta foi a primeira vez que o Ministério da Educação realizou um exame externo em todo o país, apelidado de “Tmunat Matzav” (retrato de situação), desde que os testes Meitzav foram cancelados no final de 2019.

O exame teve o mesmo formato para falantes de hebraico e árabe, com ambos os grupos de alunos fazendo o teste em sua língua nativa.

Como a prova foi realizada em um novo formato, este ano, não é possível comparar os resultados dos alunos com os de anos anteriores. Além disso, é impossível avaliar se a pandemia de coronavírus impactou o aprendizado dos alunos.

O teste acontecerá todos os anos em todas as escolas em Israel, e no próximo ano o Ministério da Educação começará a realizar um teste semelhante para alunos da oitava série também.

LEIA TAMBÉM

Os autores do estudo, da Autoridade Nacional para Medição e Avaliação em Educação do Ministério da Educação, mais conhecida pela sigla em hebraico “Rama”, observaram que não é possível comparar com precisão entre alunos que falam árabe e hebraico porque os testes são baseados em currículos diferentes.

Os resultados do teste refletem diferenças significativas entre os alunos de acordo com sua origem socioeconômica. A nota média dos alunos de nível socioeconômico mais alto foi de 310, de um total de 400 possíveis. A nota média dos alunos das classes socioeconômicas mais baixas foi de 278. A nota média geral foi de 300 pontos.

Cerca de metade dos falantes nativos de hebraico de origens socioeconômicas altas pontuaram no nível mais alto em compreensão de leitura, em comparação com apenas 27% dos alunos das classes socioeconômicas mais baixas.

As descobertas são semelhantes na extremidade inferior da escala de notas. Apenas 19% dos alunos de grupos socioeconômicos altos estavam na extremidade inferior da faixa de pontuação do teste, em comparação com 43% dos alunos de grupos socioeconômicos mais baixos.

Entre os alunos da comunidade judaica, os dados não mostram diferenças significativas entre alunos de escolas religiosas e não religiosas.

Também houve diferenças significativas entre os falantes nativos de árabe, dependendo das diferenças socioeconômicas. Por exemplo, a pontuação média para alunos de classes socioeconômicas médias e altas ficou entre 310 e 315 pontos, enquanto a pontuação média para alunos de grupos socioeconômicos mais baixos foi de apenas 292 pontos. As diferenças nas pontuações entre os estudantes beduínos e drusos da comunidade árabe de Israel se destacam em particular: enquanto os estudantes beduínos marcaram 291 pontos em média, os estudantes árabes e drusos não-beduínos marcaram uma faixa média de 302 a 308.

As diferenças entre meninos e meninas são bastante claras para todos os grupos: a pontuação média do teste para todas as meninas que falam árabe foi de 307 pontos, em comparação com 293 para os meninos: uma diferença de 14 pontos. Para os alunos de língua hebraica, a diferença foi menor, com 11 pontos a favor das meninas.

Fonte: Haaretz
Foto: Canva

One thought on “Crianças israelenses falham na compreensão da leitura

  • 17 de junho de 2022 em 11:29
    Permalink

    Bibi will be back to where he belongs: he will be PM again, sono!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: