“Sistema educacional é de terceiro mundo”, diz pesquisa

Cerca de 50% das crianças israelenses nas populações de maior crescimento do país estão recebendo uma educação de terceiro mundo que não vai ser capaz de apoiar uma economia de primeiro mundo, sem a qual não haverá sistemas de saúde de primeiro mundo, bem-estar e de defesa, de acordo uma pesquisa da Shoresh Institution for Socioeconomic Research.

“A ausência de uma capacidade de primeiro mundo para se defender na região mais violenta do mundo colocará em risco a própria existência do Estado de Israel”, disse o responsável pelo relatório, de 2021, Prof. Dan Ben-David ao The Jerusalem Post.

Israel tem desfrutado de uma das taxas de fertilidade mais altas do mundo há algum tempo. Os dados mais recentes mostram que as famílias israelenses têm em média 3,1 filhos, no mínimo uma criança a mais do que qualquer outro país da OCDE.

As famílias no México e na Turquia têm em média 2,1 filhos. Os demais países da lista têm em média entre um e 1,9.

Essas crianças estão nascendo principalmente nos setores ultraortodoxos e árabes israelensesm que representam, cada um, mais de um quinto dos alunos da primeira série de Israel hoje, totalizando cerca de 43%.

A maioria dos alunos haredi nem mesmo estuda o currículo básico. A pontuação média dos árabes israelenses nas disciplinas básicas está muito abaixo de todo o mundo desenvolvido.

A educação oferecida aos alunos nas periferias sociais e geográficas de Israel também é frequentemente inadequada.

Isso representa cerca de 50% dos alunos e “transforma o panorama da educação nacional em uma bomba-relógio”, disse Ben-David.

LEIA TAMBÉM

A pandemia COVID-19 destacou os problemas fundamentais do sistema educacional, trazendo para o primeiro plano desafios que existiam nos anos anteriores, apesar do investimento contínuo.

O orçamento do Ministério da Educação é maior até do que o do Ministério da Defesa, mas os alunos simplesmente não estão tendo sucesso.

O nível médio de conhecimento das crianças israelenses em matemática, ciências e leitura está abaixo do de todos os países desenvolvidos, mostrou o relatório da Shoresh. As lacunas educacionais na educação primária em Israel também são muito maiores. E o país tem mais alunos que não atingem o nível mínimo de conhecimento estabelecido pela OCDE – mesmo sem considerar a maioria das crianças ultraortodoxas, que não estudam certas matérias e, portanto, não participam de exames internacionais.

As escolas judaicas não religiosas de Israel classificam-se abaixo de um terço dos países desenvolvidos, ao olhar para as pontuações médias mais recentes em 25 países da OCDE e em Israel no exame do Programa de Avaliação Internacional de Alunos (PISA), que avalia o que os alunos sabem em leitura, matemática e ciências e o que eles podem fazer com esse conhecimento.

As escolas religiosas do país ficam abaixo de 80% desses países. Os israelenses árabes estão final da classificação, incluindo nove dos dez países muçulmanos que participaram do exame PISA mais recente.

Embora Israel não possa ser comparado aos Estados Unidos em termos de tamanho da população, os Estados Unidos, como Israel, podem ser divididos em quatro grupos étnicos principais. Nos Estados Unidos, mostram as pontuações do PISA, asiáticos e brancos estão recebendo uma educação melhor do que todos os alunos em todos os países desenvolvidos, alcançando uma pontuação média de 549 no exame.

A média de alunos não religiosos de Israel é de 509. A média de alunos religiosos de Israel é de 485.

No entanto, os hispânicos americanos alcançam apenas 470, enquanto os afro-americanos têm quase a pontuação mais baixa, 436. Mas há um grupo que obtém resultados mais baixos: os árabes israelenses alcançam uma média de 372.

Além disso, Israel tem a maior porcentagem (33%) de alunos em qualquer país da OCDE com pontuação igual ou inferior ao “nível 1” em matemática, ciências e leitura no exame PISA, no qual um é a pontuação mais baixa e seis é a mais alta.

“Se a educação é um trampolim para o mercado, com essas lacunas no conhecimento, você não pode esperar igualdade nas gerações futuras”, disse Ben-David.

O sistema Educacional gosta de culpar as grandes salas de aula do país como o motivo pelo qual as crianças têm dificuldade para aprender. Mas de acordo com o relatório Shoresh, embora isso possa ser um fator contribuinte, nem todas as salas de aula israelenses são grandes, e não há explicação para o porquê de esforços não terem sido feitos para reduzir o tamanho das turmas, dado o número de professores que Israel emprega por aluno, maior que a média.

O número de alunos por professor nas escolas primárias israelenses é quase idêntico às médias da OCDE, de acordo com o relatório, e as escolas secundárias têm menos alunos por professor do que a média da OCDE. Além disso, o número de horas de instrução em Israel é maior do que na maioria dos países da OCDE. Assim, Ben-David apontou para um desafio diferente: a qualidade dos professores israelenses.

Ele disse que os níveis de conhecimento dos alunos de graduação em educação israelenses são muito baixos, tanto em comparação com outros estudantes universitários israelenses quanto em comparação com outros no mundo desenvolvido.

Cerca de 79% dos israelenses estudam para ser professores em uma das faculdades de educação do país. Outros 17% estudam em faculdades gerais e 4% são alunos em universidades regulares. A pontuação psicométrica média para aqueles que estudam em faculdades de educação é quase 25% menor do que a média dos estudantes universitários, a pontuação é quase um terço (32%) menor daqueles que são aceitos em faculdades gerais, e ainda 9% menor, mesmo daqueles que estudam educação em nível universitário.

A situação se torna ainda mais aguda quando observamos como os professores israelenses se classificam no teste do Programa de Avaliação Internacional de Competências de Adultos (PIAAC) da OCDE, que examina o conhecimento básico e as habilidades de adultos com idades entre 16 e 64 anos. As habilidades dos professores de literatura israelenses estão muito abaixo do mundo desenvolvido, e o conhecimento dos professores de matemática de Israel é o mais baixo entre os países desenvolvidos.

Ben-David enfatizou que esta situação não ocorre porque os professores em Israel são mal pagos. Ele disse: “Ao contrário do senso comum em Israel, os salários dos professores do país são maiores do que o salário médio nacional e também são maiores do que os salários médios dos professores nos países desenvolvidos”.

“Israel considera a inteligência como seu principal recurso natural. Seu setor de alta tecnologia, praticamente o único setor econômico que está prosperando economicamente na arena global, não tem o número de trabalhadores com formação universitária de que necessita. Como os professores que não conseguiram nem mesmo ser aceitos nas universidades podem educar as crianças em um nível que pode levá-las para lá?”, pergunta Ben-David. “Como podemos esperar que nossos filhos cheguem à universidade e façam parte da sociedade moderna se seus professores não estão nesse nível?”

Enquanto Israel volta às aulas em 1º de setembro, repensando seus modelos de sala de aula para manter as crianças protegidas do coronavírus, Ben-David disse que há uma necessidade igualmente urgente de reimaginar a maneira que Israel escolhe, treina e recompensa sua equipe educacional.

“O sistema não está funcionando bem”, ressaltou. “Precisamos de uma revisão de todo o sistema. Se Israel não agir logo, haverá ‘um ponto sem volta’”.

Ele destacou a situação em Beirute, causada em grande parte pela demografia: um setor de elite menos fértil e mais educado da sociedade foi derrubado por uma população pobre mais fértil e menos educada.

“É difícil para os jovens de hoje imaginar que Beirute já foi chamada de Paris do Oriente Médio”, disse Ben-David. “Hoje, é um estado de pobreza à beira da explosão”.

Para garantir que Israel seja uma história de sucesso em 2065 como é hoje, Ben-David disse que, quando se trata de educação, “Israel deve agir em conjunto enquanto ainda podemos”.

Fonte: The Jerusalem Post

Foto: Q000024 (PxHere)

https://www.jpost.com/israel-news/israels-education-system-is-a-ticking-time-bomb-677966

One thought on ““Sistema educacional é de terceiro mundo”, diz pesquisa

Fechado para comentários.