Não haverá bloqueio nas festas, diz ministra

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, disse ao Canal 13 que não haverá um bloqueio nacional durante o Ano Novo Judaico, que começa na noite de 6 de setembro.

“Vamos passar o Rosh Hashanah junto com toda a família”, disse Shaked. Ela também previu que outras restrições COVID-19 não serão impostas.

Em entrevista no Canal 12, na noite deste sábado, o especialista em coronavírus, Prof. Eran Segal, do Instituto de Ciências Weizmann, disse que há indícios de que os números da taxa de infecção estão diminuindo.

Quase dois milhões de israelenses receberam a terceira dose da vacina COVID-19, e os efeitos da campanha de reforço devem ser vistos nas próximas semanas, disse ele.

O número R, o número básico de reprodução do vírus, era de 1,1 no sábado, mas está diminuindo, “e pode até chegar a menos de 1 na próxima semana”, disse Segal. Uma taxa R de 1 indica que cada pessoa infectada infectará uma outra pessoa em média, e uma taxa acima de 1 significa que o vírus se espalhará mais rapidamente.

LEIA TAMBÉM

Além disso, 60.000 pessoas não vacinadas anteriormente receberam a vacina esta semana. “Está muito longe dos cerca de um milhão que faltam para vacinar, mas é mais alto do que nas semanas anteriores e há um grande esforço nesse sentido”.

Segal apontou para desenvolvimentos positivos e disse que Israel construiu uma forte “barreira” contra o vírus, com cerca de dois milhões de pessoas recebendo a dose de reforço nas últimas semanas, 400.000 tendo se recuperado do vírus e tendo pelo menos alguma dose natural de imunidade, e 300.000 pessoas não vacinadas anteriormente decidindo se vacinar desde o início deste mês.

Israel agora enfrenta dois eventos críticos: a abertura do ano letivo em 1º de setembro e os grandes feriados nas próximas semanas, quando as pessoas se reúnem nas sinagogas e com suas famílias para marcar os feriados.

“Mas temos um milhão de pessoas com uma dose de reforço apenas nos últimos 10 dias, ainda não estamos vendo os efeitos disso nos dados, mas com tudo isso combinado, de acordo com minha estimativa, isso vai equilibrar qualquer aumento na morbidade e, mesmo que haja um aumento, a gente vai conseguir dar conta”, disse Segal.

O biólogo computacional disse que Israel deveria seguir em frente e começar o ano letivo na próxima semana, apesar dos apelos para adiá-lo devido ao recente aumento do vírus.

O coordenador do gabinete do coronavírus Prof Salman Zarka disse no sábado que as pessoas podem ser solicitadas a limitar as reuniões a 50 pessoas em locais fechados e 100 pessoas ao ar livre durante as próximas festividades.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Marcia Cherman Sasson