Coronavírus: sobe número de pessoas em quarentena em Israel

Subiu para 200, na noite de sábado,  o número de estudantes israelenses em quarentena após entrar em contato com um grupo de sul-coreanos potencialmente infectados com o coronavírus.

O Ministério da Educação tinha anunciado anteriormente, que 60 alunos da oitava série de Haifa que estavam em Massada ao mesmo tempo em ali se encontrava o grupo sul-coreano, ficariam em isolamento, juntamente com cinco professores e um segurança. 

O anúncio veio horas depois de ter sido anunciado que 30 estudantes de Beer Sheba, também na oitava série, ficariam em quarentena em suas casas, juntamente com dois professores, depois de entrar em contato com os peregrinos.

O Ministério da Educação afirma que fornecerá aos alunos orientação psicológica e recursos de aprendizado on-line enquanto eles estiverem isolados, período durante o qual eles são obrigados a evitar qualquer contato direto com outras pessoas, incluindo membros da família.

O grupo de 77 coreanos esteve em Israel de 8 a 15 de fevereiro. Foi confirmado que nove deles tiveram o vírus na sexta-feira, após o retorno à Coréia do Sul, embora não se saiba se eles contraíram o patógeno antes ou depois de retornar de Israel.

No sábado à noite, um avião de passageiros da Korean Air que pousou no aeroporto Ben Gurion, ele permaneceu na pista, pois todos os estrangeiros a bordo foram impedidos de entrar no país. Doze israelenses a bordo foram autorizados a desembarcar, foram examinados levados de ambulância para quarentena em suas casas.  Enquanto isso, o restante dos passageiros, cerca de 200 pessoas, teve que ser transferido de volta para a Coreia do Sul imediatamente.

Autoridades disseram que a decisão de bloquear a entrada de pessoas que chegam da Coreia do Sul era um caso específico no momento e não uma proibição geral de chegadas do país. Mas as notícias do Canal 12 informavam que todos os voos de e para Seul seriam cancelados até novo aviso, o que poderia deixar centenas de turistas sul-coreanos retidos no país.

O diretor geral do Ministério da Saúde, Moshe Bar Siman Tov, anunciou que os israelenses que retornam da Coreia do Sul e do Japão terão que ficar isolados por 14 dias.  Essas diretrizes já estão em vigor para aqueles que retornam da China, Tailândia, Cingapura, Hong Kong e Macau.

O Ministério da Saúde também pediu a todos aqueles que estavam em contato próximo com os visitantes coreanos que se apresentassem às autoridades sanitárias. Bar Siman Tov disse que qualquer pessoa que mostre sintomas da doença “não deve chegar ao hospital de forma independente, mas entrar em contato com a linha de emergência Magen David Adom por telefone”. Ele acrescentou: “Se não seguirmos as regras, haverá uma ampla disseminação do vírus”.

“A possibilidade de alguém estar doente em Israel devido ao grupo aumentou significativamente”, disse Bar Siman Tov. “Estamos trabalhando sob a suposição de que turistas sul-coreanos eram portadores do vírus enquanto estavam em Israel”. Ele alertou que qualquer pessoa que descumprisse as diretrizes de quarentena colocaria em risco outras pessoas e seria punida.” E acrescentou: “Pela nossa experiência, esse vírus é aparentemente muito contagioso e, portanto, há um grande risco no momento em que há infecções no país”.

O ministro das Relações Exteriores, Yisrael Katz, convocou uma reunião de emergência em seu ministério sobre as possíveis ramificações do caso de visitantes sul-coreanos.

Fonte: notícias de Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *