Cresce a ameaça de greve dos professores

A organização dos professores do ensino médio ameaça não iniciar o ano letivo nas escolas secundárias, devido ao insucesso nas negociações com o Ministério da Fazenda sobre um novo acordo salarial.

As ameaças de greve se estendem aos professores em jardins de infância, escolas de ensino fundamental e médio. Isso pode significar que o ano letivo em todo o sistema educacional não começará.

A entidade anunciou, ontem, sanções que serão aplicadas aos preparativos para as escolas, semelhantes às sanções anunciadas pelo Sindicato dos Professores. De acordo com o comunicado da organização, os professores do ensino médio não participarão dos dias de preparação, e de qualquer outra atividade social, educacional, de formação, capacitação, encontros entre professores e alunos, “ou qualquer outro nome criativo”.

O presidente da organização, Ran Erez, disse em uma mensagem aos professores que “no marco da luta pelas condições de trabalho e salários dos professores, foi declarada uma disputa trabalhista nacional. Infelizmente, o Ministério das Finanças frustra qualquer avanço que tenhamos feito nas negociações com o Ministério da Educação e trata o corpo docente com total desdém. A conduta do Ministério das Finanças, a partir de hoje, impede a possibilidade de abertura do ano letivo”.

A vigência do acordo coletivo dos professores do ensino médio, assinado há cerca de uma década, terminou em fevereiro de 2022. Nos últimos meses, a entidade vem negociando com o Tesouro um novo acordo, que, diferentemente do acordo com os professores, foi mantido em sigilo e seus detalhes não foram publicados na mídia.

No entanto, de acordo com Erez em uma carta aos professores esta semana, “agora está claro, após meses de negociações, que o Ministério da Fazenda está atrasando a assinatura de acordos e estabelecendo novas condições a cada vez. Não vale a pena continuar conduzindo tais negociações quando todos os acordos alcançados não levam à assinatura de um acordo coletivo e implementação devido a novas demandas levantadas pelo Ministério da Fazenda a cada vez”.

LEIA TAMBÉM

Paralelamente às negociações salariais, nos últimos meses a organização dos professores travou outra luta contra a reforma dos exames de admissão (bagrut) na área de Humanas iniciada pela Ministra da Educação Yifat Shasha Biton, no âmbito do qual os exames de em disciplinas como Bíblia, cidadania, história e literatura serão cancelados e substituídos por trabalhos de pesquisa.

A organização alertou para danos nas condições de trabalho dos professores que lecionam essas disciplinas e está acompanhando a reforma, fazendo críticas à própria reforma e ao cancelamento dos exames.

Além disso, a organização também está lutando contra a decisão do Ministro da Educação de mudar o sistema de ensino para uma semana de trabalho reduzida de 5 dias, o que a organização de professores vê como “um prejuízo muito grave para a comunidade docente”. De acordo com Erez, “não se trata apenas de cancelar a liberdade de escolher um dia de folga, mas também de danos econômicos ao negar aos professores a oportunidade de trabalhar em trabalho extra e negar a oportunidade de estudar”.

Em uma carta aos professores, Erez escreveu que sem acordo o ano letivo não será aberto, e a responsabilidade é do erário. “Chegamos ao minuto 90, e se os acordos não forem assinados nos próximos dias, não iniciaremos o ano letivo. Estamos dizendo isso agora, não só para vocês, mas também para o Tesouro, os governos locais e o Ministério da Educação, para que ninguém diga que somos nós que empurramos as negociações até 31 de agosto. Não temos interesse em sobrecarregar a comunidade de professores e pais, e dizemos a todos que a bola está nas mãos do Ministério das Finanças há mais de três semanas. Toda a responsabilidade recai exclusivamente sobre ele”.

Fonte: Davar
Foto: Canva

One thought on “Cresce a ameaça de greve dos professores

Fechado para comentários.