Diário de Ilan Ramon exposto no Museu de Israel

O diário de bordo do primeiro astronauta de Israel, Ilan Ramon, que morreu no desastre do ônibus espacial Columbia, em 2003, está novamente em exposição no Museu de Israel. Os fragmentos do diário que sobreviveram à desintegração da nave, cuidadosamente reconstruídos, contêm os últimos pensamentos e sentimentos de Ilan Ramon.

A exposição “Through Time and Space” “Através do Tempo e do Espaço” compara Ramon com Enoch, o personagem bíblico que segundo o livro de Gênesis “andou com Deus e desapareceu, porque Deus o levou”. Os fragmentos do Livro de Enoch fizeram parte das descobertas dos Manuscritos do Mar Morto, que também estão expostos no museu.

Ilan Ramon morreu junto com outros seis membros da tripulação quando o Columbia se desintegrou na reentrada da atmosfera da Terra em 1º de fevereiro de 2003. Meses depois, trechos de seu diário pessoal foram encontrados em um campo no Texas e foram trazidos de volta para Israel.

As 37 páginas do diário foram exibidas pela primeira vez no Museu de Israel, em 2008, por ocasião do Dia da Independência de Israel.

A nova exposição foi promovida pela falecida esposa de Ramon, Rona, que recentemente recebeu o Prêmio Israel postumamente por suas realizações na vida. Os curadores do museu observaram as semelhanças entre os restos do diário espacial e os fragmentos do Livro de Enoch, descobertos em meados do século XX.

O texto de ambos os escritos foi reconstruído por técnicas especiais. Medidas extraordinárias foram tomadas para evitar a deterioração das páginas do diário de Ramon e decifrar seu conteúdo.

De acordo com os curadores da exposição, “… a maior semelhança reside no tom de suas palavras expressando surpresa em cenários que contemplavam e o profundo privilégio de poder apreciá-los”. Enoch diz: “Eu, Enoch, sozinho, vi a visão, o fim de todas as coisas e nenhum ser humano viu o que eu vi” (1 Enoch 19:3). Milhares de anos depois, Ilan Ramón falou do espaço e disse: “Essa visão é algo que poucos observam”.