IsraelNotícias

Discurso de Netahyahu na cerimônia de Yom Hashoá

O Dia em Memória do Holocausto começou na noite de domingo, com uma cerimônia oficial realizada no Museu do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

Participaram da cerimônia o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o presidente Isaac Herzog, o presidente do Yad Vashem, autoridades e sobreviventes do Holocausto.

A cerimônia, transmitida ao vivo pelo site do Yad Vashem com tradução direta para o inglês, começou com o hasteamento da bandeira israelense a meio mastro e uma oração pelos reféns que estão atualmente mantidos em cativeiro pelo Hamas e pela segurança dos soldados que lutam nas fronteiras de Israel.

Discurso do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na cerimônia de abertura do Dia da Memória dos Mártires e Heróis do Holocausto

“Honorável Presidente Herzog e a Sra. Herzog,

Seguirei seu exemplo e cumprimentarei nossos mais estimados convidados. Em primeiro lugar, os sobreviventes do Holocausto, que nos inspiram grandemente a todos, inclusive durante esta difícil guerra. Vocês são a prova viva da ressurreição do povo judeu após a destruição das nossas comunidades. Vocês são verdadeiros heróis.

LEIA TAMBÉM

O major Moshe Yedidyah Leiter, um oficial admirado da unidade Shaldag, foi para a batalha na Faixa de Gaza com o legado do Holocausto sobre os ombros. Estas não são apenas palavras poéticas; é a realidade. Durante o serviço militar, quando seu pai, Yechiel, lhe perguntava: ‘Como você suporta um fardo tão pesado?’ Moshe costumava dizer: ‘É o fardo de gerações. Um fardo de responsabilidade que dá sentido ao meu serviço nas Forças de Defesa de Israel’.

Moshe Leiter recebeu o nome de seu bisavô. Nasceu na Galiza, mudou-se para Viena, fugiu de Viena para a Suíça, da Suíça para França e acabou em Nova York. Muitos de seus parentes foram massacrados impiedosamente nos campos de extermínio. Ele, juntamente com a sua esposa e filhos, conseguiram escapar da Áustria na semana do Anschluss, a anexação da Áustria à Alemanha nazi em 1938. Moshe e a sua família nunca esqueceram o som das botas dos soldados nazis nas ruas de Viena.

O Major Moshe Leiter, bisneto de Moshe Leiter, liderou os seus soldados na guerra em Gaza, sabendo que também lutava pelo seu bisavô e pelos seis milhões de judeus, nossos irmãos e irmãs. Moshe, um dos nossos melhores combatentes e comandantes, pai de seis filhos, caiu enquanto servia na reserva em Beit Hanoun.

Durante o Shiva, seu pai Yechiel disse: ‘Se o Estado de Israel não tivesse sido estabelecido após o Holocausto, a imagem que teria sido gravada em nós seria a fotografia do menino no Gueto de Varsóvia com as mãos para cima, contra os rifles dos soldados nazistas. Mas o Estado de Israel existe e põe armas nas mãos dos nossos filhos. Fizemos isso para que pudéssemos nos defender daqueles que buscam a nossa destruição’.

Amanhã, Yechiel Leiter, o pai enlutado, participará na Marcha da Vida em Auschwitz-Birkenau. A mensagem que ele enviará de lá, Nunca Mais, é também a nossa mensagem aqui hoje, desde as colinas de Jerusalém.

Quero esclarecer: Nunca mais é agora!

Porque 80 anos depois do Holocausto, depois do indescritível genocídio de seis milhões de judeus, um terço do nosso povo, as forças do mal levantaram-se mais uma vez contra nós, impulsionadas pelo puro mal. Eles massacraram, abusaram, estupraram, sequestraram.

Digo isto claramente: o horrível ataque terrorista de 7 de outubro não foi um Holocausto. Não porque lhes faltasse a intenção de genocídio, mas porque lhes faltasse a capacidade de realizá-lo. A intenção é a mesma; os nazistas agiram para destruir completamente o povo judeu. Os assassinos do Hamas são instruídos a fazer exatamente a mesma coisa. Assassinam bebés, crianças, mulheres, homens, jovens e idosos. Eles fazem isso sem pestanejar. Eles sequestraram nossos irmãos e irmãs, e metade deles ainda está mantida como refém, no subsolo, no escuro.

Estamos determinados a libertar todos eles – todos eles – deste inferno escuro, aqueles que ainda estão vivos e os mortos. Somos obrigados a trazê-los para casa, para as suas famílias, e acabar com este pesadelo contínuo. Nossos corações estão com eles.

Lutaremos contra os monstros do Hamas e os destruiremos para sempre. Digo ‘monstros’ não apenas pelos horrores que cometeram, mas pelo fato de se orgulharem deles. Eles transmitiram seus assassinatos ao vivo.

Num berçário em Gaza, que foi usado como base de operações terroristas do Hamas, os nossos soldados encontraram uma cópia do livro calunioso de Hitler, Mein Kampf, traduzido para árabe. Em outra casa, encontraram um tablet de uma menina com uma foto de Adolf Hitler como papel de parede.

Uma linha reta, por mais sinistra que possa ser, liga os assassinos de antigamente aos assassinos de hoje. Mas é aqui que reside a diferença entre o Holocausto e a ressurreição. Mas, ao contrário do Holocausto, quando éramos indefesos contra os nossos inimigos, hoje temos o nosso próprio poder defensivo.

Após o massacre de 7 de outubro, iniciamos uma guerra contra os nossos agressores. Uma guerra que, com a ajuda de Deus, terminará com a nossa vitória absoluta.

Nossos inimigos cometeram um grande erro. Eles pensavam que éramos fracos, divididos, desprovidos de raízes e de perseverança. Eles estavam errados.

Na hora da verdade, ficamos juntos, ombro a ombro, cheios de resiliência, determinação e força.

Meus amigos, povo de Israel, o nosso teste é continuarmos unidos, até à vitória, nos dias cruciais que temos pela frente. Esta é a única forma de garantir a nossa existência e o nosso futuro.

Estamos lutando em duas frentes: a primeira, o regime fanático do Irã e os seus representantes terroristas, que agem com a clara intenção de nos destruir; a segunda, a erupção do vulcão antissemita que cospe lava ardente de mentiras contra nós, em todo o mundo.

Digo isto simplesmente: o antissemitismo reprimido no Ocidente, que borbulhava à superfície desde o Holocausto, está agora mostrando sua cabeça.

As gerações anteriores espalharam mentiras sobre como os judeus envenenaram poços, usaram o sangue de crianças para fazer matzá e espalharam doenças. Hoje, espalham novas mentiras, de que estamos cometendo genocídio e causando fome em Gaza. Isto não podia estar mais longe da verdade.

De que genocídio eles estão falando? Fazemos tudo o que podemos para evitar atingir os cidadãos. Tomamos precauções que nenhum exército na história jamais tomou.

Que fome? Desde o início desta guerra, deixamos entrar na Faixa de Gaza inúmeros caminhões cheios de alimentos e medicamentos, exatamente para evitar isso. Para evitar uma crise humanitária.

Tal como acontecia no passado, estas falsas acusações não são levantadas contra nós por causa das coisas que fazemos, mas pelo simples facto de existirmos. Infelizmente, muitas pessoas acreditam nestas mentiras flagrantes, e acreditam nelas por uma razão e apenas uma razão: porque somos judeus.

Que falência moral.

A mentira tornou-se verdade, a verdade transformou-se em mentira. Como disse o profeta Isaías: ‘Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal; que transformam as trevas em luz e a luz em trevas’.

Essa loucura atingiu os campi mais prestigiados do Ocidente. Estudantes judeus, apoiantes de Israel, enfrentam ameaças, calúnias e assédio. Eles têm medo de serem vistos com quaisquer símbolos judaicos: suas kipot, xales de oração, estrelas de David. Professores e acadêmicos judeus são espancados e humilhados. Os valentões que sofreram lavagem cerebral invadem as salas de aula e quebram as janelas.

Isto lembra coisas que aconteceram nas universidades alemãs na década de 1930. Sim, eles quebraram janelas também. Só que desta vez isso acontecerá na América em 2024. Nossos irmãos e irmãs na Diáspora, estamos convosco contra o ódio aqui e contra o ódio ali.

Não menos escandaloso é o que poderá acontecer no Tribunal Penal Internacional em Haia. Este tribunal, que foi criado em resposta ao Holocausto e a outros horrores, para garantir que Nunca Mais, está considerando emitir mandados contra os líderes e comandantes de Israel.

Se tal medida for tomada, a sua intenção será atar-nos as mãos e minar o nosso direito básico à autodefesa.

Que absurdo! Como a justiça e a história estão sendo distorcidas! Este passo colocaria uma mancha indelével na própria ideia de justiça e de direito internacional.

A tentativa de amarrar as nossas mãos tem origem em várias partes da comunidade internacional. Daqui, de Jerusalém, na véspera do Dia em Memória do Holocausto, envio uma mensagem, em alto e bom som: ‘Vocês não vão amarrar as nossas mãos.’

Se Israel for forçado a permanecer sozinho, nós permaneceremos sozinhos e continuaremos a atacar os nossos inimigos até alcançarmos a vitória. Mesmo que tenhamos de permanecer sozinhos, continuaremos a lutar contra o mal humano.

Como primeiro-ministro de Israel, o país de uma nação orgulhosa que existe há milênios, prometo que nenhuma pressão e nenhuma resolução de qualquer fórum internacional nos impedirá de nos defendermos daqueles que nos querem destruir.

O Major Moshe Leiter e todos os nossos soldados caídos morreram por esse motivo.

Lá a morte não foi em vão.

A partir daqui, no Yad Vashem em Jerusalém, irei me dirigir ao mundo inteiro com algumas frases curtas em inglês:

[Inglês]

Há 80 anos, no Holocausto, o povo judeu estava totalmente indefeso contra aqueles que procuravam a nossa destruição. Nenhuma nação veio em nosso auxílio.

Hoje, enfrentamos novamente inimigos empenhados na nossa destruição.

Digo aos líderes do mundo que nenhuma pressão, nenhuma decisão de qualquer fórum internacional impedirá Israel de se defender.

Como Primeiro-Ministro de Israel – o único Estado judeu – prometo aqui hoje, a partir de Jerusalém, neste Dia em Memória do Holocausto:

Se Israel for forçado a ficar sozinho, Israel ficará sozinho. Mas sabemos que não estamos sozinhos porque inúmeras pessoas decentes em todo o mundo apoiam a nossa justa causa. E eu digo a vocês que derrotaremos nossos inimigos genocidas.

Nunca mais é agora!

[Hebraico]

Ilustres convidados,

Durante o Holocausto, não tivemos voz, não tivemos proteção. Nossos gritos não foram ouvidos, nosso tormento foi ignorado.

Não voltaremos àqueles dias sombrios. O Estado de Israel não se curvará aos assassinos e instigadores do antissemitismo.

Nossa voz será ouvida.

Protegeremos nosso país e estabeleceremos o futuro eterno de nosso povo”.

Fonte: GPO
Foto: Koby Gideon (GPO)

One thought on “Discurso de Netahyahu na cerimônia de Yom Hashoá

  • ADENIDE DE SANTANA SANTOS

    Que o Eterno o abençoe e proteja!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo