IsraelNotícias

“Ninguém precisa me dizer o que fazer”, diz Netanyahu

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu teria rebatido, neste domingo, as críticas de ministros sobre o ritmo das operações israelenses em Gaza, dizendo aos membros de seu gabinete que “ninguém precisa me dizer o que fazer ou como fazer”.

De acordo com relatos da mídia israelense, o primeiro-ministro declarou que “as coisas estão acontecendo e acontecerão” e que ele “espera a unidade desta mesa”.

Depois de o ministro da Defesa, Yoav Gallant, ter anunciado durante a reunião semanal do gabinete que uma operação israelense em Rafah, o último reduto remanescente do Hamas no sul de Gaza, estava próxima, vários ministros de extrema-direita alegadamente atacaram a forma como o governo lidou com o conflito.

“Durante a última semana, estive intensamente envolvido na preparação da operação em Rafah, incluindo hoje. A operação acontecerá em breve, muito em breve”, teria dito Gallant.

Em resposta, a Ministra dos Assentamentos e Projetos Nacionais, Orit Strock, afirmou que Gallant tinha dito que “as negociações só serão conduzidas sob fogo”, mas que isto agora “não estava acontecendo”.

O ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, acusou Gallant e o chefe do Estado-Maior das FDI, tenente-general Herzi Halevi, de amarrar as mãos das forças armadas, acusando-as de “não deixarem as FDI lutar”.

LEIA TAMBÉM

Reagindo, Netanyahu teria respondido insistindo que “se alguém pensa que abandonaremos a nossa intenção de eliminar o Hamas, está errado”. Ele disse ainda que, apesar dos atrasos, Israel acabará por “eliminar o Hamas”.

Enquanto os ministros discutiam, os manifestantes do lado de fora do edifício exigiam uma ofensiva imediata em Rafah. Antes de entrar na reunião, o Ministro dos Esportes e Cultura, Miki Zohar, disse aos manifestantes que cumprir “os objetivos da guerra é uma condição necessária para a continuação da existência do governo”, informou o Canal 12.

Dirigindo-se também aos manifestantes, o Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, apelou a uma incursão militar imediata em Rafah, declarando que não permitiria que Netanyahu e os seus colegas membros do gabinete “extinguissem o espírito de heroísmo”.

Numa mensagem de vídeo no final da tarde de domingo, Netanyahu dobrou sua promessa de não acabar com a guerra antes que o Hamas seja derrotado, enfatizando em termos inequívocos que Israel não concordará com o fim da campanha e a retirada das tropas das FDI da Faixa, e não aceitará um acordo de trégua de reféns com o Hamas que inclua a exigência de acabar com a guerra.

“Israel não pode aceitar isso”, disse ele. “Não vamos aceitar uma situação em que os batalhões do Hamas saiam dos seus bunkers, assumam novamente o controle de Gaza, reconstruam a sua infraestrutura militar e voltem a ameaçar os cidadãos de Israel nas comunidades vizinhas, nas cidades do sul, em todas as partes do país”.

“Israel não concordará com as exigências do Hamas, o que significaria rendição, e continuará a lutar até que todos os seus objetivos sejam alcançados”, declarou Netanyahu.

Em resposta ao vídeo de Netanyahu, Ben-Gvir emitiu um comunicado repetindo a sua exigência de uma operação imediata em Rafah.

“Não atacamos Gaza e conseguimos o 7 de outubro. Não atacamos Rafah e conseguimos um ataque direcionado”, disse ele, referindo-se ao ataque de foguetes de hoje à passagem de Kerem Shalom, lançado a partir de Rafah.

“Netanyahu, entre em Rafah, agora”, pediu Ben-Gvir.

As divergências de domingo no gabinete ocorreram no contexto da pressão internacional sobre Israel para concordar com um fim efetivo da guerra em Gaza como parte de um acordo de libertação de reféns.

EUA, Catar e Egito estão participando das negociações sobre um acordo no Cairo, tal como membros do Hamas, embora Netanyahu tenha decidido não enviar uma delegação nesta momento.

Em resposta aos relatos de um possível fim das hostilidades em troca dos reféns, uma autoridade israelense, falando anonimamente à mídia no sábado, repetiu a insistência de Jerusalém de que “Israel não concordará em nenhuma circunstância em acabar com a guerra como parte de um acordo para libertar nossos sequestrados”.

A autoridade acrescentou, “as FDI entrarão em Rafah e destruirão os batalhões restantes do Hamas lá, quer haja uma pausa temporária para libertar nossos cativos ou não”.

A mesma autoridade emitiu mais tarde uma segunda declaração no mesmo sentido, dizendo que quaisquer alegações que Israel tenha concordado em acabar com a guerra “são falsas”.

Vários meios de comunicação disseram que a autoridade que divulgou as duas declarações seria o próprio Netanyahu.

Sinalizando discórdia dentro da liderança israelense, o ministro do gabinete de guerra, Benny Gantz, criticou esses comentários.

“Aconselho as fontes e todos os outros decisores a esperarem por atualizações oficiais, a agirem com moderação e a não ficarem histéricos por razões políticas”, disse ele num comunicado na tarde de sábado, aparentemente referindo-se à pressão da extrema direita, aparentemente referindo-se à pressão da extrema direita para que Netanyahu não concordasse com um acordo que poderia ser visto como uma vitória para o Hamas.

Gantz acrescentou que quando o Hamas apresentar uma resposta, o gabinete de guerra irá se reunir para deliberar sobre a questão.

O deputado do Judaísmo da Torá Unida, Moshe Gafni, atacou Gantz por emitir sua declaração no Shabat, mas não fez menção às duas declarações às quais Gantz estava respondendo, que também teriam sido emitidas pelo gabinete de Netanyahu, durante o sábado.

Tanto Ben-Gvir quanto Smotrich expressaram repetidamente veemente oposição pública a um acordo que reduza ou interrompa temporariamente os combates, ambos dizendo que isso prejudicaria o direito de existência do governo e levaria à sua dissolução.

Acusando o governo de Netanyahu de fazer o que ele disse serem “concessões estratégicas” perigosas, a fim de garantir a libertação de reféns israelenses mantidos pelo Hamas em Gaza, Smotrich ameaçou, na semana passada, se afastar a coalizão se ela aprovasse o acordo atualmente sendo negociado no Egito.

“Um governo que se submeta à pressão internacional, pare a guerra no meio, evite a entrada imediata em Rafah e retorne às propostas de mediação egípcia que deixam o Hamas existente em qualquer configuração, perderá naquele momento o seu direito de existir”, afirmou Smotrich após uma reunião de seu partido na última terça-feira.

O seu anúncio ocorreu pouco depois de Ben-Gvir ter declarado, após uma reunião privada com o primeiro-ministro, que Netanyahu tinha prometido não concordar com um acordo “imprudente” de reféns.

“Eu avisei o primeiro-ministro sobre as consequências, se, Deus nos livre, Israel não entrar em Rafah, se, Deus nos livre, terminarmos a guerra, se, Deus nos livre, houver um acordo imprudente”, disse Ben-Gvir numa declaração por vídeo.

Ben-Gvir ameaçou mais de uma vez acabar com a coalizão devido à condução da guerra, inclusive no início da semana passada, quando tuitou que um “acordo imprudente equivale à dissolução do governo”.

Respondendo às ameaças e à retórica de Ben-Gvir e Smotrich na semana passada, o ministro pelo partido Unidade Nacional, Gadi Eisenkot, um observador no gabinete de guerra, criticou o que descreveu como chantagem política.

“O gabinete definiu os objetivos da guerra há seis meses. No último dia, dois membros do gabinete fizeram chantagem com ameaças políticas”, disse Eisenkot.

Fonte: Revista Bras.il a partir de The Times of Israel
Foto: Wikimedia Commons

One thought on ““Ninguém precisa me dizer o que fazer”, diz Netanyahu

  • ADENIDE DE SANTANA SANTOS

    Que Deus proteja e oriente o PM, este homem deve está tendo dias terríveis. Deus lhe dê discernimento e forças .

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo