Lapid pede “cessar-fogo” entre Bennett e médicos

O ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid, pediu um “cessar-fogo” entre o primeiro-ministro Naftali Bennett e altos funcionários médicos na quarta-feira.

Falando aos ministros de seu partido Yesh Atid, Lapid disse que Israel não pode se dar ao luxo de continuar a rivalidade.

“Não vou permitir que haja guerras e lutas por crédito entre profissionais e o governo”, disse Lapid. “Os profissionais médicos, economistas e da educação fazem suas recomendações e o governo decide. Esta é a única hierarquia adequada”.

Lapid pediu unidade após a disputa que ocorreu depois do discurso de Bennett na Assembleia Geral das Nações Unidas.

“Ainda não derrotamos a pandemia”, disse Lapid. “Todos nós temos um inimigo: o coronavírus”.

Bennett disse à ONU que “os médicos são importantes, mas as pandemias só podem ser geridas de forma adequada por um líder nacional”.

O primeiro-ministro acrescentou: “Administrar um país durante uma pandemia não é apenas uma questão de saúde. Trata-se de equilibrar cuidadosamente todos os aspectos da vida que são afetados pela corona, especialmente empregos e educação”.

LEIA TAMBÉM

O assunto surgiu no início do dia em uma reunião do Comitê de Constituição, Lei e Justiça da Knesset, que deveria se concentrar na aprovação das novas regras do Passaporte Verde para empregados dos setores de saúde, trabalho e lazer, mas passou vários minutos focando em como muitos legisladores apoiam as autoridades de saúde.

“Somos gratos aos membros do Ministério da Saúde e sabemos o quanto eles fazem, não apenas todos os dias e noites, mas também no Shabat e feriados”, disse o presidente do comitê, Gilad Kariv. “Todos nós precisamos manter um discurso respeitoso”.

O deputado Uri Maklev acusou o primeiro-ministro de “prejudicar gravemente o sistema de saúde” e disse que queria “apoiá-los diante das palavras do primeiro-ministro contra vocês”.

Ele acrescentou que “somos todos representantes públicos aqui para apoiá-los contra o que foi feito contra vocês”.

O ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, e o diretor-geral do Ministério da Saúde, Nachman Ash, foram à TV israelense para defender o trabalho do ministério. Uma reunião foi realizada no dia anterior entre Horowitz e altos funcionários do ministério, na qual ele lhes disse que apoiava seu trabalho 100%.

Um golpe específico teria sido dado por Bennett à Chefe de Serviços de Saúde Pública, Dra. Sharon Alroy-Preis, durante uma coletiva de imprensa em Nova York.

Alroy-Preis, uma epidemiologista, inicialmente hesitou em aplicar a terceira dose a todos os israelenses com mais de 12 anos, embora mais tarde tenha apoiado a medida.

Os profissionais do Ministério da Saúde decidiram sobre o esquema do Passaporte Verde e a necessidade de uma dose de reforço da vacina contra o coronavírus Pfizer, disse Alroy-Preis na reunião da Knesset.

“Não foi o governo que decidiu”, disse ela, “mas sim os dados epidemiológicos. Não é uma decisão do governo decidir quem é vacinado e quem não é”. Ela acrescentou que “nós merecemos ter o apoio”.

“O Ministério da Saúde trabalha com profissionalismo e dedicação, e o fato de um comitê da Knesset dizer se concorda ou não com a recomendação, que não deve haver dúvida quanto ao profissionalismo do ministério é muito importante”.

Bennett também enfrentou críticas de sua coalizão, na quarta-feira. O deputado Yair Golan disse que sua viagem aos Estados Unidos era desnecessária e que o discurso da ONU poderia ter sido feito a partir de Israel.

Os partidos da oposição entraram com uma moção de censura ao governo sobre “seu fracasso em gerenciar o coronavírus”. A moção será votada na segunda-feira, quando a Knesset retornar das férias.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Yonatan Sindel (Flash90) – Sharon Alroy-Preis e Wikipedia – Naftali Bennett