Documento detalha efeitos colaterais da vacina

Documento enviado em nome do coordenador do coronavírus às equipes médicas detalhando os efeitos colaterais das vacinas, juntamente com a frequência exata de cada um deles – chegou ao portal N12 e foi publicado hoje (domingo) pela primeira vez.

A maioria dos efeitos colaterais da vacina é mais comum entre pessoas vacinadas com menos de 55 anos e após a segunda dose, mais do que após a primeira. Efeitos colaterais mais comuns: dor no local da injeção, fadiga, dores musculares e de cabeça.

O coordenador do Corona Prof. Nachman Ash solicitou ao Dr. Tal Brosh, do Assuta de Ashdod, Secretário do Comitê Consultivo de Prioridade de Vacinas Corona, atualizar as equipes médicas nos hospitais e planos de saúde acerca das vacinas Corona que começarão a receber para vacinar o público. Entre outras coisas, de forma que ainda não havia sido publicada, lista todos os efeitos colaterais das vacinas da Pfizer e o grau de prevalência de cada um deles.

“Uma vez que a vacina foi testada e considerada segura para uso em animais, seus efeitos em humanos foram testados em uma série de grandes estudos, o maior dos quais foi a Fase 3 de um estudo relatado recentemente”, disse o documento. “Espera-se que este estudo dure cerca de dois anos e os resultados publicados descrevem a segurança após cerca de dois meses de acompanhamento em média”.

No total, a vacina foi testada em mais de 40.000 pessoas, em vários estudos, em vários países. A vacina é administrada em duas doses por injeção no músculo. A primeira dose é projetada para induzir a resposta imune, e a segunda dose é projetada para fortalecê-la e induzir uma resposta de memória de longo prazo.

LEIA TAMBÉM

Em 60% a 80% dos vacinados no experimento foram observados efeitos colaterais de dor no local da injeção – a maioria deles dor leve a moderada. De 5% a 7% sofreram de inchaço ou vermelhidão, a maioria dos quais eram leves a moderados também.

Além disso, os efeitos colaterais gerais foram mais comuns entre as pessoas vacinadas com menos de 55 anos de idade. Entre os vacinados, de 34% a 59% demonstraram fadiga, 25% a 52% relataram dores de cabeça, 14% a 37% sofreram dores musculares e 9% a 22% % dores nas articulações. Deve-se notar que todos os sintomas gerais apareceram com frequência no segundo dia após a vacinação e geralmente duraram cerca de um dia. “É raro que eles continuem além do sétimo dia”, disse o documento.

4% dos menores de 55 anos relataram febre após receber a primeira dose da vacina, após a segunda dose – 16%. Entre os adultos com mais de 55 anos, 1% relatou febre após receber a primeira dose, enquanto 11% após a segunda dose. Na maioria dos casos, a febre estava abaixo de 38,4 e foram relatados poucos casos de febre muito alta. Além disso, apenas 1% de todos os vacinadores relataram náuseas após receber a vacina.

O documento afirma que alguns dos efeitos colaterais também eram bastante comuns no grupo do placebo – o grupo de indivíduos que não recebeu a vacina.

Por fim, o documento afirma que “os resultados do estudo mostram que é uma vacina segura para uso, com um perfil de efeitos colaterais que não ultrapassa o perfil das vacinas em uso”. Ele acrescentou que os efeitos colaterais encontrados incluem efeitos locais e gerais, a maioria dos quais são leves e duram pouco tempo.

Mulheres grávidas não serão vacinadas

Quanto ao risco de longo prazo, ainda não há certeza absoluta devido ao curto espaço de tempo decorrido do início do experimento até a publicação do relatório intermediário da Pfizer – apenas dois meses. Porém, com as vacinas lançadas no mercado que são semelhantes à vacina da Pfizer, não há risco excessivo de efeitos colaterais tardios. A maioria dos efeitos colaterais da vacina da Pfizer foram observados poucos dias após o recebimento.

Também é dito que, devido ao estoque limitado de vacinas em Israel – neste estágio, os doentes que se curaram do corona estarão na parte inferior na fila da prioridade de vacinação. Ainda não foi tomada uma decisão quanto à vacinação de crianças. Por um lado, eles não correm o risco de contrair a doença, mas, por outro lado, podem colocar muitos outros em perigo pela possibilidade de os contaminar. Embora nenhum risco específico seja conhecido, as mulheres grávidas não serão vacinadas porque o estudo não examinou esta população.

Seguindo a aprovação do FDA para a vacina da Pfizer, a próxima etapa no processo é um painel de conselheiros do CDC, que se reuniu ontem para uma discussão de emergência e também recomendou a vacina para maiores de 16 anos. As recomendações para os postos de vacinação serão publicadas posteriormente, e a última etapa antes do início da campanha de vacinação – a assinatura do chefe do CDC.

Os EUA já estão lançando a campanha de vacinação hoje e amanhã milhões de cidadãos norte-americanos devem receber os pacotes de vacina. A vacina atinge cerca de três milhões de pessoas.

Fonte: N12

Foto: CNX-OpenStax (Wikimedia Commons)

One thought on “Documento detalha efeitos colaterais da vacina

Fechado para comentários.