El Al lança programa de testes rápidos

A empresa aérea El Al está iniciando uma experiência na qual, além de um teste de PCR, realizado 72 horas antes do voo, os passageiros não vacinados também farão um teste de “antígeno” pouco antes da decolagem.

Os passageiros do voo LY003 da El Al, que decolaram ontem à noite (segunda-feira) do Aeroporto Ben Gurion com destino a Nova York, foram selecionados para participar do piloto da empresa que inclui pelo menos outros dois testes que visam minimizar a chance de adquirir o vírus durante o voo.

Antes da decolagem, os passageiros não vacinados ou que estivessem recuperados foram levados para um teste de antígeno que poderia detectar um paciente ativo.

Segundo o programa, quando os passageiros chegarem ao balcão da sala de embarque do Terminal 3, eles serão questionados se estão vacinados ou se recuperando e aqueles que responderem negativamente serão solicitados a preencher uma declaração concordando em fazer os testes de antígeno antes de serem autorizados a realizar as verificações de segurança e embarque.

Ao contrário dos testes de PCR, o teste de antígeno pode detectar a proteína corona em apenas 15 minutos. Se um passageiro for considerado positivo no teste de antígeno, ele e os demais acompanhantes na mesma reserva não serão autorizados a embarcar, mesmo os que tenham recebido uma resposta negativa, a menos que sejam definidos como vacinados ou em recuperação pelo Ministério de Saúde em Israel.

LEIA TAMBÉM

Tomer, que decolou para sua casa em Nova York e não está vacinado ou se recuperando, concordou em participar do piloto que, nesta fase, exige o consentimento voluntário dos passageiros. “O processo foi muito fácil e simples”, disse ele. “Acho que é uma boa solução para quem planeja voar em um futuro próximo.”

Após a amostragem, foi solicitado que esperasse 15 minutos até receber a resposta diretamente em seu celular, quando foi informado que era negativo e poderia seguir viagem. “Foi tudo bem e agora só falta voltar para casa”, concluiu.

A CEO da El Al, Abigail Soreq, explicou que “a essência do plano é fazer duas de três coisas: uma vacina ou um teste PCR, como a maioria dos destinos exige, ou um teste de antígeno. Na verdade, receberemos uma indicação antes do voo de que não há tempo de incubação, garantindo assim que o tempo de voo é considerado seguro”.

De acordo com Soreq, nesta fase é impossível saber se o procedimento se tornará um padrão obrigatório em todos os voos da companhia, mas a El Al está considerando uma variedade de opções: “É muito cedo para fazer uma declaração, mas estamos pensando em viver na presença do Corona e encontrar soluções para o turismo e a aviação”.

O Prof. Gili Regev do Hospital Sheba Tel Hashomer, que acompanha o projeto, disse: “A ideia é dar três camadas de proteção para garantir que o corona não esteja no voo. A primeira camada mais importante é a vacinação. As outras são o teste de PCR e do antígeno. É como o teste de gravidez, dentro de um quarto de hora há uma resposta”.

Sobre as preocupações dos oficiais da aviação com a abertura do Aeroporto Ben Gurion, o Prof. Regev acrescentou: “Em relação ao retorno a Israel, precisaremos de mais camadas de proteção. Porque mesmo que uma pessoa não infectasse ninguém durante o voo, talvez ela tenha incubada a doença e talvez depois de alguns dias o vírus comece a se desenvolver. Depois de um ou dois dias, ele já pode estar transmitindo variantes. Portanto, um plano mais complexo é necessário, como pulseiras ou re-testes após dois dias, ou três testes em dez dias. De qualquer forma, o mais importante agora é se vacinar”.

Foto: Avshalom Sassoni (Flash90)

One thought on “El Al lança programa de testes rápidos

Fechado para comentários.