Embaixadas e comunidades judaicas em alerta

Israel aumentou o status de alerta em suas embaixadas ao redor do mundo após o assassinato de um importante cientista nuclear iraniano, Mohsen Fakhrizadeh, devido às acusações de Teerã contra Israel e às promessas de vingança por sua morte.

Além da sede diplomática, algumas comunidades judaicas na diáspora também estão tomando precauções, segundo o Canal 12 de Israel.

Vários altos funcionários iranianos culparam Israel pela morte de Mohsen Fakhrizadeh, considerado o “pai” do programa nuclear militar iraniano. De acordo com o The New York Times, que citou três funcionários da inteligência, Israel seria responsável pelo assassinato do cientista nuclear.

O Irã e seu aliado libanês, o grupo terrorista Hezbollah, foram acusados ​​de alvejar israelenses e judeus ao redor do mundo em várias ocasiões, e as instalações israelenses e comunidades judaicas são vistos como os principais alvos de retaliação após supostos ataques israelenses, de acordo com o The Times of Israel.

LEIA TAMBÉM

Teerã também tem forças à sua disposição perto de Israel, incluindo tropas e milícias na vizinha Síria, Hezbollah no Líbano e a Jihad Islâmica Palestina e, em menor medida, o Hamas, na Faixa de Gaza.

Por muito tempo tem se suspeitado que Israel teria cometido uma série de assassinatos seletivos de cientistas nucleares iranianos, na tentativa de conter o programa nuclear iraniano.

Autoridades iranianas, incluindo o presidente Hassan Rouhani e o líder supremo Ali Khamenei, exigiram que os responsáveis ​​pelo assassinato de Mohsen Fakhrizadeh sejam punidos, alguns deles culpando Israel abertamente.

No sábado, o chefe do bureau político do Hamas, Ismail Haniyeh, telefonou a Zarif para condenar o assassinato de Mohsen Fakhrizadeh, dizendo que “reflete uma mentalidade criminosa que permite matar em plena luz do dia. A política de assassinato, assim como não teve sucesso com a resistência na Palestina, irá falhar com o Irã e tudo … o eixo da resistência”.

O ataque também renovou os temores de que o Irã contra-ataque os EUA, o aliado mais próximo de Israel na região, como fez no início deste ano, quando um drone americano matou o general iraniano Qasem Soleimani.

Mohsen Fakhrizadeh foi morto em uma emboscada em Absard, um vilarejo a leste da capital Teerã, na sexta-feira quando seu veículo se acercava de um caminhão que explodiu quando ele se aproximou.

Relatórios locais, mais tarde, descreveram uma enxurrada de tiros de arma de fogo quando homens armados saíram de um carro próximo. Um tiroteio entre os assassinos e os guarda-costas de Mohsen Fakhrizadeh acabou acontecendo. Os atacantes feriram fatalmente o cientista nuclear e mataram pelo menos três dos guardas antes de escapar.

Fotos e vídeos compartilhados online mostraram um sedã Nissan com buracos de bala no para-brisa, sangue acumulado no asfalto e destroços espalhados ao longo de um trecho da rodovia.

O ataque a Mohsen Fakhrizadeh ocorre poucos dias antes do 10º aniversário do assassinato do cientista nuclear iraniano Majid Shahriari, pelo qual Teerã também culpou Israel. Essa e outras mortes ocorreram em uma época em que o chamado vírus Stuxnet, que se acredita ser uma criação israelense e americana, destruiu as centrífugas iranianas.

Fakhrizadeh liderou o chamado programa AMAD do Irã, que Israel e os EUA alegaram ser uma operação militar visando a viabilidade de construir uma arma nuclear. Teerã há muito afirma que seu programa nuclear é apenas para fins civis.

Fonte: ©EnlaceJudío

Foto: Hynek Moravec (Wikimedia Commons). Embaixada de Israel em Praga

2 thoughts on “Embaixadas e comunidades judaicas em alerta

  • Pingback: Embaixadas e comunidades judaicas em alerta - Rede Israel

  • 30 de novembro de 2020 em 18:36
    Permalink

    Sindicato britanico não cita os judeus no dia que lembra o holocausto? Por que? São antissemitas ou esquerdistas que costumam ser contra Israel e os judeus? Holocausto sempre será ligado aos judeus, 6.000.000 de mortos não significam nada?

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: