Irã jura vingança após assassinato de cientista

O Irã jurou vingança no sábado pelo assassinato, um dia antes, de seu principal cientista nuclear, Mohsen Fakhrizadeh, ameaçando um novo confronto entre a República Islâmica e o Ocidente a pouco mais de sete semanas do término do mandato do presidente dos EUA Donald Trump.

“Mais uma vez, as mãos malignas da arrogância global foram manchadas com o sangue do regime sionista usurpador mercenário”, disse o presidente iraniano Hassan Rouhani. “O Irã certamente responderá ao martírio de nosso cientista no momento apropriado.”

Chefe do programa secreto de armas nucleares do Irã, Fakhrizadeh foi baleado e morto em Damavand, a leste de Teerã, na tarde de sexta-feira.

Fotos da cena do crime mostraram dois veículos, um danificado em uma explosão e outro crivado de balas no que parecia ser um tiro profissional.

LEIA TAMBÉM

Fakhrizadeh era um oficial sênior do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) e chefiava o projeto de armas nucleares do Irã. Ele foi professor de física na Universidade Imam Hussein em Teerã e foi chefe do Centro de Pesquisa em Física do Irã (PHRC). Foi o único cientista iraniano nomeado na “avaliação final” de 2015 da AIEA sobre questões em aberto sobre o programa nuclear iraniano. Ele disse que supervisionou as atividades “em apoio a uma possível dimensão militar para o programa nuclear (do Irã)”.

O líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, prometeu continuar o trabalho de Fakhrizadeh, que os governos ocidental e israelense chamam de versão iraniana de Robert Oppenheimer, um dos chefes do Projeto Manhattan.

Um conselheiro militar do líder supremo do Irã, Ali Khamenei, acusou Israel de tentar provocar uma guerra “em grande escala” matando Fakhrizadeh. “Nos últimos dias da vida política de seu … aliado (presidente dos EUA, Donald Trump), os sionistas (Israel) buscam intensificar a pressão sobre o Irã e criar uma guerra total”, twittou o comandante Hossein Dehghan.

“Vamos atacar como um trovão os assassinos deste mártir oprimido e faremos com que se arrependam de sua ação”, escreveu Dehghan.

Fakhrizadeh foi alvo das agências de inteligência israelenses nos últimos 15 anos.

Em 2018, na revelação do arquivo nuclear secreto do Irã adquirido pelo Mossad, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu mencionou Fakhrizadeh e disse: “lembre-se desse nome, Fakhrizadeh”.

Os arquivos recuperados pelo Mossad focavam no programa de armas do Irã conhecido como “Projeto Amad”, que era liderado por Fakhrizadeh. Quando o Irã entrou no acordo nuclear de 2015, negou que tal programa existisse.

Em 2003, o Irã foi forçado a arquivar o Projeto Amad, mas não suas ambições nucleares. Ela dividiu seu programa em um programa aberto e um secreto que continuou o trabalho nuclear sob o título de desenvolvimento de conhecimento científico, disse Netanyahu na época.

Ele continuou esse trabalho em uma série de organizações, que em 2018 eram lideradas pelo SPND, uma organização dentro do Ministério da Defesa do Irã liderada pela mesma pessoa que liderou o Projeto Amad – Dr. Fakhrizadeh, disse Netanyahu.

Após o assassinato de Fakhrizadeh, o Irã escreveu uma carta ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e ao Conselho de Segurança da ONU alegando “sérios indícios de responsabilidade israelense” e que se reserva o direito de se defender.

Guterres pediu moderação. “Observamos os relatos de que um cientista nuclear iraniano foi assassinado perto de Teerã hoje. Instamos a moderação e a necessidade de evitar qualquer ação que possa levar a uma escalada das tensões na região”, disse o porta-voz de Guterres, Farhan Haq.

A morte de Fakhrizadeh tem o potencial de complicar os esforços do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, para reviver a distensão da presidência de Barack Obama e pode levar ao confronto entre o Irã e seus inimigos nas últimas semanas da presidência de Trump.

“Esteja o Irã tentado a se vingar ou se contenha, será difícil para Biden retornar ao acordo nuclear”, escreveu Amos Yadlin, ex-chefe da inteligência militar israelense e diretor do Instituto de Estudos de Segurança Nacional de Israel no Twitter.

Pelo menos quatro cientistas foram mortos entre 2010 e 2012 no que Teerã disse ser um programa de assassinatos com o objetivo de sabotar seu programa de energia nuclear. O Irã sempre negou buscar armas nucleares, dizendo que seus objetivos são apenas pacíficos.

Os Estados Unidos enviaram o porta-aviões Nimitz com navios para o Golfo na quarta-feira, pouco antes do assassinato, mas uma porta-voz da Marinha dos EUA disse que o deslocamento não estava relacionado a nenhuma ameaça específica.

A Alemanha também pediu a todos os lados que mostrassem moderação. “Algumas semanas antes de o novo governo dos EUA assumir o cargo, é importante preservar o espaço para negociações com o Irã para que a disputa sobre o programa nuclear iraniano possa ser resolvida por meio de negociações”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

“Portanto, instamos todas as partes a se absterem de quaisquer medidas que possam levar a uma escalada da situação”.

Foto: Farsnews (Wikimedia Commons)

2 thoughts on “Irã jura vingança após assassinato de cientista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *