Israel ataca alvos iranianos na Síria

Israel atingiu alvos iranianos e sírios na Síria na manhã de quarta-feira em resposta a artefatos explosivos (IED, na sigla em inglês) encontrados na fronteira no dia anterior.

“Aviões de guerra das Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) atacaram alvos militares pertencentes à Força Quds iraniana e ao exército sírio esta noite na Síria. O ataque danificou armazéns, postos de comando e complexos militares, além de baterias de mísseis terra-ar”, disse a IDF em um comunicado.

Os militares acrescentaram que “o ataque foi realizado em resposta à colocação de cargas explosivas perto da cerca da fronteira entre o território sírio e israelense por um esquadrão sírio agindo sob instrução iraniana”, disse o comunicado.

De acordo com o porta-voz do IDF, General-de-brigada Hidai Zilberman, os dispositivos explosivos improvisados ​​descobertos ontem foram plantados há várias semanas por sírios locais sob o comando da Força Quds iraniana.

LEIA TAMBÉM

Os militares, disse ele, têm seguido células da Força Quds iraniana, por vários meses, tentando plantar explosivos na fronteira e têm realizado patrulhas – tanto a pé quanto por drones e reconhecimento para prevenir ataques.

A agência de notícias estatal síria SANA informou que as defesas aéreas da Síria interceptaram a “agressão israelense” no sul do país e derrubou uma série de mísseis que haviam sido lançados.

Três militares foram mortos e um ficou ferido nos ataques. Não ficou claro se as vítimas foram soldados sírios ou iranianos.

Embora os militares israelenses não esperem nenhuma resposta aos ataques, o Domo de Ferro foi deslocado para o norte e as tropas terrestres foram colocadas em alerta máximo

O ministro da Defesa, Benny Gantz, que estava em uma viagem ao Comando do Norte na terça-feira, onde foi informado sobre a situação regional e a prontidão das tropas, responsabilizou a Síria.

“Há muito tempo estamos preparados para a possibilidade de ataques terroristas no setor norte”, disse ele. “O IDF tem as capacidades e a determinação para responder severamente a qualquer incidente nas frentes libanesa e síria … Eu digo claramente: a Síria é responsável pelo que ocorre em seu território.”

Em agosto, as tropas das IDF da unidade de reconhecimento de elite Maglan frustraram uma tentativa de colocar explosivos ao longo da cerca da fronteira com a Síria. A célula de quatro membros foi morta quando a força IDF apoiada por aeronaves os atacou.

Após uma investigação da cena, a 25 metros da cerca do perímetro dentro do território israelense, armas e uma bolsa contendo vários dispositivos explosivos foram encontrados. A ação tomada contra a célula que colocava os explosivos na cerca da fronteira foi posteriormente seguida por ataques aéreos israelenses visando posições sírias.

“Entendemos que a mensagem que enviamos ao outro lado em agosto não foi totalmente compreendida”, disse Zilberman, acrescentando que “os militares que queríamos do outro lado, incluindo os sírios locais nas Colinas de Golan, entendem que trabalhar com o Irã não é aceitável”.

“Não permitiremos que o Irã continue a se inserir na Síria e especialmente ao longo da fronteira, e não permitiremos que os sírios continuem a permitir. Estamos atacando o anfitrião e o visitante que realmente não são desejados”, disse Zilberman aos repórteres, pedindo à Força de Observadores do Desengajamento das Nações Unidas que pare com a hostilidade nas Colinas de Golan.

“As armas iranianas continuam a entrar na Síria e as forças iranianas continuam a agir nas Colinas de Golan, o que não é aceitável”, acrescentou.

Israel advertiu repetidamente sobre as aspirações do Irã de hegemonia regional e admitiu realizar centenas de ataques aéreos como parte de sua campanha de “guerra entre guerras” (conhecida em hebraico como MABAM) para impedir a transferência de armas avançadas para o Hezbollah no Líbano e o entrincheiramento de suas forças na Síria, onde poderiam facilmente agir contra Israel.

Embora Israel geralmente se abstenha de alvejar terroristas para tentar evitar retaliações subsequentes, alguns ataques atribuídos ao Estado Judeu mataram vários integrantes do Hezbollah no sul da Síria nas Colinas de Golan, onde o grupo tenta estabelecer uma presença militar permanente.

De acordo com um relatório do Centro de Pesquisa e Educação ALMA, a presença do Hezbollah no sul da Síria é muito maior do que o revelado anteriormente, com cerca de 58 posições nas províncias de Quneitra e Dara’a, no sul da Síria, onde o Comando do Sul e o Projeto Golan do grupo terrorista foram baseados.

Fonte: JPost

Ilustração: IDF (Twitter)

One thought on “Israel ataca alvos iranianos na Síria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *