Pfizer termina o ensaio COVID-19 com 95% de eficácia

A Pfizer Inc. disse na quarta-feira que os resultados finais do último estágio do teste de sua vacina COVID-19 mostram que ela foi 95% eficaz, acrescentando que tinha os dados de segurança necessários de dois meses e que solicitaria autorização emergencial dos EUA em alguns dias.

A farmacêutica disse que a eficácia da vacina desenvolvida com a parceira alemã BioNTech SE foi consistente com os dados demográficos de idade e etnia, e que não houve efeitos colaterais importantes, um sinal de que a imunização poderia ser amplamente utilizada em todo o mundo.

A eficácia em adultos com mais de 65 anos, que estão particularmente sob risco de contrair o vírus, foi superior a 94%.

A análise final vem apenas uma semana após os resultados iniciais do ensaio terem mostrado que a vacina era mais de 90% eficaz. A Moderna Inc. divulgou na segunda-feira dados preliminares para sua vacina, mostrando eficácia semelhante.

LEIA TAMBÉM

Os dados melhores do que o esperado das duas vacinas, ambas desenvolvidas com a nova tecnologia conhecida como RNA mensageiro (mRNA), aumentaram as esperanças para o fim da pandemia que já matou mais de 1,3 milhão de pessoas em todo o mundo e causou estragos nas economias e na vida cotidiana.

No entanto, embora alguns grupos, como profissionais de saúde, sejam priorizados nos Estados Unidos para vacinação este ano, levará meses até que a vacinação em grande escala comece.

A Pfizer disse na quarta-feira que houve 170 casos da doença em seu ensaio com mais 43.000 voluntários, dos quais 162 ocorreram no grupo do placebo e 8 no grupo da vacina.

Dez pessoas desenvolveram COVID-19 grave, uma das quais recebeu a vacina.

Ele também disse que a vacina foi bem tolerada e que os efeitos colaterais foram em sua maioria leves a moderados e desapareceram rapidamente.

O único evento adverso grave que afetou mais de 2% dos vacinados foi a fadiga, que afetou 3,7% dos receptores após a segunda dose. Os adultos mais velhos tendem a relatar menos e mais brandos eventos adversos após a vacinação.

Os resultados aparecem em um momento em que o vírus está se espalhando desenfreadamente nos Estados Unidos, na Europa e em outros lugares, colocando uma enorme pressão sobre os sistemas de saúde com um número recorde de novos casos e hospitalizações.

A aproximação do inverno no hemisfério norte, em conjunto com a temporada de férias, deve piorar o número de casos, pois as pessoas passam mais tempo dentro de casa e se reúnem para reuniões familiares.

“Com centenas de milhares de pessoas em todo o mundo infectadas todos os dias, precisamos urgentemente fornecer uma vacina segura e eficaz para o mundo”, disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em um comunicado.

A Pfizer e a BioNTech também disseram que planejam enviar os dados para outras agências regulatórias ao redor do mundo, além dos Estados Unidos. Eles também planejam enviar dados do estudo para uma revista científica.

A Pfizer reiterou que espera produzir até 50 milhões de doses de vacinas este ano, o suficiente para proteger 25 milhões de pessoas, e então produzir até 1,3 bilhão de doses em 2021.

Das dezenas de fabricantes de medicamentos e grupos de pesquisa correndo para desenvolver vacinas contra COVID-19, o próximo lançamento de dados provavelmente será da AstraZeneca Plc com a Universidade de Oxford em novembro ou dezembro. A Johnson & Johnson diz que está no caminho para fornecer dados este ano.

2 thoughts on “Pfizer termina o ensaio COVID-19 com 95% de eficácia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *