Ex-Miss Iraque defende Miss Universo em Israel

A ex-Miss Iraque Sarah Idan disse às participantes da próxima edição da competição de Miss Universo, marcada para dezembro em Eilat, para não serem desencorajadas pelo assédio que possam receber nas redes sociais por visitar Israel.

“Eu gostaria de alertar as rainhas da beleza para se prepararem para um exército de bots que provavelmente assediará suas postagens nas redes sociais enquanto eles estiverem em Israel com hashtags ‘fim da ocupação’ e ‘Palestina livre’. Elas não devem se preocupar, essas nem mesmo são pessoas reais, mas contas falsas usadas por alguns propagandistas para intimidá-las”, disse ela.

Idan fez os comentários depois que o neto do ex-presidente da África do Sul e ativista dos direitos civis, Nelson Mandela, pediu aos países que boicotassem o 70º concurso de Miss Universo porque ele será realizado em Israel. Nkosi Zwelivelile “Mandla” Mandela começou a defender um boicote ao desfile dias depois que Lalela Mswane, 24, foi coroada Miss África do Sul 2021 – qualificando-a para representar seu país na competição.

Em uma declaração que ele compartilhou no Instagram, Mandela acusou Israel de uma “ocupação hedionda” e afirmou que o país “viola os direitos humanos fundamentais do povo palestino e comete crimes contra a humanidade”.

“Israel é um estado de apartheid e continuaremos a mobilizar todas as pessoas do mundo que amam a liberdade para boicotar, alienar e aprovar sanções contra o regime brutal do apartheid”, escreveu ele. “Devemos persistir em isolar o apartheid de Israel da mesma forma que isolamos o apartheid da África do Sul”.

LEIA TAMBÉM

Ele convocou todos os países africanos a se retirarem do concurso de Miss Universo em Israel e todas as participantes do Miss Universo ao redor do mundo “para nos enviar cartas anunciando sua retirada e se desassociando de um evento que normaliza o apartheid de Israel, matança diária, demolição de casas e pomares e mutilações de crianças jovens e inocentes”.

Idan, que é a CEO e fundadora da ONG Humanity Forward, recebeu ameaças de morte e foi forçada a deixar seu país por tirar uma foto com a ex-Miss Israel Adar Gandelsman no concurso Miss Universo 2017. Ela criticou os apelos de Mandela por um boicote, na quinta-feira, em um vídeo postado em várias plataformas de mídia social.

“Tudo o que posso dizer é: como você ousa?” Idan disse no vídeo, dirigindo-se a Mandela. “Como você ousa, como homem, tentar dizer a uma organização para mulheres e empoderamento das mulheres o que fazer? Esta é uma oportunidade que milhões de mulheres sonham ter, de subir ao palco mundial e representar o seu povo, a sua nação e a sua cultura. Não governos, não política e, definitivamente, não sua agenda política”.

Idan também criticou Mandela por usar o termo “apartheid” para “atacar Israel”, argumentando que a palavra foi usada contra Israel por “islamistas radicais, organizações terroristas e o regime iraniano, todos eles que odeiam as mulheres e os direitos das mulheres”.

“Por favor, permita que a Miss África do Sul vá e experimente Israel de perto e deixe-a julgar por si mesma”, acrescentou ela. “Tenho certeza de que, assim como eu, ela ficará chocada ao ver que o governo israelense é formado por muçulmanos, judeus, árabes e cristãos. Essas pessoas não apenas votam em políticas, mas também fazem parte da Knesset, têm partidos políticos e alguns deles são até embaixadores israelenses no mundo”.

Idan concluiu seu vídeo dizendo a Mswane: “Espero que você aproveite sua viagem e aprenda não apenas sobre Israel, mas também sobre belos outros países. É disso que trata o concurso de Miss Universo”.

Fonte: The Algemeiner
Foto: Site oficial do Concurso e Twitter Sarah Idan