Exposição de arte saqueada pelos nazistas em NY

Em 1937, o Ministério do Esclarecimento Público e Propaganda da Alemanha nazista removeu a obra “Purim” de Marc Chagall das paredes do Museu de Folkwang em Essen. Retratando pessoas trocando comida e doces, a pintura vibrante foi considerada “degenerada” e sumariamente vendida a um colecionador de arte de Berlim e membro do partido nazista.

Agora, 75 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, a pintura é uma das 53 obras de arte e 80 objetos cerimoniais em exibição no Museu Judaico de Nova York. A exposição “Afterlives: Recovering the Lost Stories of Looted Art” – “Vida após a morte: recuperando as histórias perdidas de arte saqueada” vai até janeiro de 2022. Contando como essas obras resistiram à violência da guerra, detalha seu muitas vezes complicado resgate do pós-guerra.

“A exposição é um lembrete importante dessa história. Queríamos contar uma história concisa e clara sobre o saque, mas também contar a história da recuperação e da restituição em curso. É sobre chegar a um acordo com o que aconteceu”, disse o curador-chefe do Museu Judaico, Darsie Alexander.

Durante a guerra, os nazistas sistematicamente pilharam um número incontável de obras de arte e peças de propriedade cultural. Fizeram isso para enriquecer o Terceiro Reich e apagar todos os vestígios da identidade e cultura judaicas. Embora inúmeras peças permaneçam perdidas, cerca de um milhão de obras de arte e 2,5 milhões de livros foram recuperados até agora.

Das peças em exibição, talvez seja a história de duas pinturas de Henri Matisse, “A Garota de Amarelo e Azul com Guitarra” e “Margaridas”, que realmente sintetizam o tema da exposição, disse o curador assistente Sam Sackeroff.

Os nazistas roubaram as duas pinturas do renomado galerista judeu francês Paul Rosenberg, que as guardou em um cofre de banco em Bordeaux, na França, antes de fugir para os Estados Unidos, disse Sackeroff.

LEIA TAMBÉM

Os nazistas simultaneamente invadiram a galeria de Rosenberg em Paris e a transformaram em um escritório do Instituto para o Estudo da Questão Judaica. Usando a própria mesa de Rosenberg, eles organizaram “Le Juif en France”, uma das maiores exposições antissemitas da história.

As pinturas foram então transferidas, primeiro para a Embaixada da Alemanha, depois para o Museu do Louvre e, finalmente, para o Jeu de Paume, que os nazistas usaram como depósito.

Em 27 de novembro de 1942, Gustave Rochlitz, um negociante de arte agindo em nome de Hermann Goering, chegou ao Jeu de Paume para examinar o estoque de arte roubada. “A Garota de Amarelo e Azul com Guitarra” foi uma das quatro pinturas que ele tirou naquele dia. Até que os aliados a recuperassem em 1944, a pintura estava pendurada na propriedade de Goering, no sudoeste da Alemanha.

Os visitantes da exposição também verão a obra de Claude Lorrain, de 1655, “Battle on a Bridge”. Vendido sob coação, o quadro foi selecionado para o museu pessoal nunca construído de Adolf Hitler.

Numerosos objetos rituais também estão em exibição. Os objetos destacam o papel do museu na identificação e recuperação de dezenas de objetos rituais que foram roubados de casas e sinagogas durante e após a guerra.

Cerca de 220 desses objetos entraram na coleção permanente do museu. Alguns ainda trazem sua pequena etiqueta de identificação de alumínio com uma estrela de Davi e as letras JCR.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Ajay Suresh from New York, NY, USACC BY 2.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Exposição de arte saqueada pelos nazistas em NY

Fechado para comentários.