ONU adota resolução de combate à negação do Holocausto

As Nações Unidas aprovaram, na quinta-feira, uma proposta israelense de resolução que define a negação do Holocausto ou sua distorção, e insta os Estados membros a combater o fenômeno nas mídias sociais.

A resolução, apresentada pelo embaixador israelense Gilad Erdan e co-facilitada pela Alemanha, foi adotada por consenso pela Assembleia Geral (AGNU) de 193 membros, com apenas o Irã se opondo e “se dissociando” da medida. Não houve votação real por país, mas mais de 100 estados membros se declararam co-patrocinadores.

“Agora vivemos em uma era em que a ficção está se tornando fato e o Holocausto está se tornando uma memória distante”, afirmou Erdan, neto de vítimas do Holocausto, na AGNU. “A negação do Holocausto se espalhou como um câncer. À medida que o número de sobreviventes do Holocausto diminui, as gerações mais jovens estão sendo doutrinadas nas mídias sociais para duvidar da realidade e confiar no engano”.

“No entanto, enquanto esta resolução preserva a memória dos seis milhões de vítimas do passado, seu objetivo é proteger também as vítimas do futuro”, afirmou Erdan.

A resolução baseia-se na definição de trabalho de antissemitismo adotada pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA) para identificar a negação do Holocausto. Conclama os Estados membros a “rejeitar sem reservas qualquer negação ou distorção do Holocausto como um evento histórico, total ou parcialmente, ou quaisquer atividades para esse fim”, e afirma que “a negação do Holocausto em suas várias formas é uma expressão do antissemitismo”.

LEIA TAMBÉM

Também incentiva os Estados membros da ONU a combater o fenômeno, especialmente em plataformas online. A resolução orienta os órgãos da ONU a formular programas contra a negação do Holocausto e a promover a lembrança do Holocausto em colaboração com a sociedade civil.

Erdan disse que “enquanto a internet se transforma em um vil terreno fértil de enganos, as plataformas de mídia social estão se esquivando de sua responsabilidade”.

“Apesar de sua importância, essas plataformas pouco fazem para combater esse fenômeno doentio. Os gigantes das redes sociais não podem mais ficar complacentes com o ódio espalhado em suas plataformas”, exigiu.

Em uma declaração conjunta, o Ministro do Exterior de Israel Yair Lapid e sua contraparte alemã Annalena Baerbock expressaram preocupação com o aumento dramático nas manifestações de negação do Holocausto, a distorção e o revisionismo do Holocausto e as comparações feitas entre as atuais disputas políticas e o Holocausto.

“Tais comparações são uma perversão da história e uma injustiça para com os homens, mulheres e crianças que foram privados de seus direitos, perseguidos e assassinados. Essas comparações são uma forma de antissemitismo”, dizia o comunicado conjunto. “Eles plantam as sementes do preconceito e do ódio, ameaçando nossas sociedades”.

“Temos a obrigação de lembrar, aprender e desafiar o crescimento do revisionismo, negação e distorção do Holocausto, tanto online quanto offline”, afirmaram Lapid e Baerbock.

Presentes na plateia durante o discurso de Erdan na AGNU estavam um grupo de sobreviventes do Holocausto e o CEO da Pfizer, Albert Bourla, filho de sobreviventes do Holocausto.

A resolução foi calorosamente recebida por grupos judaicos de todo o mundo, incluindo B’nai B’rith International, cujos líderes apontaram para “uma clara correlação entre a negação das atrocidades do Holocausto e a indiferença ou incitação às atrocidades cometidas contra os judeus hoje”.

Fonte: The Algemeiner
Foto: Missão de Israel na ONU

One thought on “ONU adota resolução de combate à negação do Holocausto

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: