Exposição sobre os 70 anos das relações Japão e Israel

Para marcar os 70 anos das relações diplomáticas entre o Japão e Israel, o Museu de Arte Japonesa Tikotin, um museu totalmente dedicado à exibição e divulgação da cultura japonesa, localizado em Haifa, o único no seu gênero no Oriente Médio, está exibindo a exposição “Túnel do Tempo – Japão e os Judeus”.

A exposição centra-se no ponto de encontro entre o Japão e os judeus por meio de obras de arte de artistas japoneses que se relacionam com a narrativa judaica de resgate e extermínio.

A história do resgate é baseada no gesto humanitário do vice-cônsul japonês em Kaunas, na Lituânia, Chiune Sugihara, que, no verão de 1940, emitiu mais de dois mil vistos para o Japão. Desta forma, Sugihara salvou mais de seis mil judeus.

Junto com a videoinstalação de SHIMURAbros, são exibidas fotografias raras de 1941 do Tampei Photography Group, incluindo fotografias dos refugiados que vieram para o Japão.

No centro da história do extermínio estão as obras dos artistas Tatsuo Miyajima (instalação e fotografia) e Yuki Onodera (fotografia). A exposição cria um túnel que conecta tempos e culturas, que se expressam na conexão entre a arte contemporânea e as fotografias antigas e nas conexões entre nós, hoje vivos, e a história, que é uma parte importante da nossa identidade.

As obras transmitem uma mensagem universal de humanidade, tolerância e compreensão da diferença, e esse é o ponto central de conexão desses artistas japoneses contemporâneos à narrativa judaica.

LEIA TAMBÉM

A exposição continua com três viagens entre Israel e Japão: as viagens do colecionador e fundador do museu Felix Tikotin; a jornada do artista Tetsuya Noda; e a jornada do artista Meirav Davish Ben Moshe. Três viagens, em momentos diferentes, conectando as experiências locais judaicas e israelenses com a cultura e arte japonesas.

Os primeiros judeus se estabeleceram no Japão apenas em meados do século XIX. Eles vieram de toda a Ásia, Europa e Estados Unidos e se estabeleceram lá por interesses comerciais. No Japão, ao contrário da Europa, os judeus viviam como uma comunidade segregada e não se integravam à sociedade, por isso a tola alegação de uma conspiração judaica para dominar o mundo recebeu pouca atenção e o antissemitismo foi um fenômeno menor.

Do ponto de vista japonês, os judeus eram socialmente percebidos como parte dos estrangeiros que ali viviam e, religiosamente, o judaísmo era considerado cristão e, portanto, não se destacava.

A exposição pode ser vista até 22 de abril de 2023. Informações: https://www.tmja.org.il/eng

Fonte: Haifa Museums
Foto: Cartaz da exposição do Tikotin Museum of Japanese Art

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.