FDI em alerta máximo para represália da Jihad Islâmica

Embora o nível de alerta ao longo da fronteira com a Faixa de Gaza permaneça alto, várias estradas fechadas esta manhã como medida de precaução contra possíveis ataques devem ser reabertas, de acordo com o Ynet.

As tensões aumentaram depois que as forças de segurança israelenses prenderam o líder do grupo terrorista Jihad Islâmica Palestina em Jenin na noite passada.

Bassem Saadi foi levado junto com seu genro e assessor Ashraf al-Jada. Outro membro do grupo terrorista, Dirar al-Kafrayni, de 17 anos, foi morto em um tiroteio com as tropas israelenses.

Relatos palestinos disseram que Saadi ficou ferido depois de ser mordido por um cão militar durante sua prisão. Com o objetivo de acalmar as tensões, as Forças de Defesa de Israel, em resposta, liberaram imagens para jornalistas mostrando Saadi em boas condições.

Em resposta à prisão de Saadi, a Jihad Islâmica com sede em Gaza anunciou que estava declarando estado de “alerta” e aumentando a “prontidão” de seus combatentes.

Segundo as Forças de Defesa de Israel a decisão de fechar as estradas esta manhã foi tomada após uma avaliação situacional durante a qual o Exército identificou um aumento na atividade de combatentes ligados à Jihad Islâmica que representava “uma ameaça direta de um possível ataque a civis israelenses”.

Entre as rodovias fechadas estavam a Estrada 4, do entroncamento Zikim até a Passagem Erez; a Estrada 34, do entroncamento Yad Mordechai até o entroncamento Nir Am; e a Estrada 232, do entroncamento Nir Am até a Passagem Kerem Shalom.

LEIA TAMBÉM

O exército também fechou a praia de Zikim perto da fronteira de Gaza e começou a bloquear o tráfego entre Ashkelon e Sderot.

Também fechou vários locais com vista para a Faixa, incluindo o mirante Sderot e o local de observação Asaf Siboni nas proximidades, o memorial Black Arrow e o mirante Givat Nizmit perto de Mefalsim, e o Horseman Hill fora do Kibutz Nir Am.

As FDI também fecharam a Passagem de Erez para pedestres que entram e saem de Gaza. O posto de fronteira é usado por milhares de trabalhadores palestinos todos os dias.

A companhia de trens anunciou que os trens deixariam de circular entre as cidades do sul de Ashkelon e Netivot e que a estação Sderot próxima também seria temporariamente fechada.

O Gabinete do Primeiro-Ministro disse que o primeiro-ministro Yair Lapid, juntamente com o ministro da Defesa, Benny Gantz, o comandante das FDI Aviv Kohavi, o chefe da agência de segurança Shin Bet, Ronen Bar, o conselheiro de segurança nacional, Eyal Hulata, o primeiro-ministro alternativo Naftali Bennett e outras autoridades estão fazendo uma avaliação da situação.

De acordo com o Shin Bet, Saadi, de 61 anos, foi preso e libertado por Israel sete vezes ao longo dos anos.

O Shin Bet disse que, nos últimos meses, Saadi “trabalhou ainda mais para restaurar as atividades da Jihad Islâmica Palestina, nas quais estava por trás da criação de uma força militar significativa da organização na Samaria em geral e em Jenin em particular”.

“Sua presença foi um fator significativo na radicalização dos agentes da organização em campo”, acrescentou o Shin Bet.

AS FDI e a Polícia de Fronteira disseram que uma arma, munição e dinheiro foram apreendidos de Saadi e al-Jada durante a operação.

Em operações distintas antes do amanhecer, as tropas prenderam 12 palestinos procurados, com confrontos violentos em algumas áreas. Nenhum soldado israelense foi ferido nas operações, de acordo com autoridades.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Redes sociais. O líder da Jihad Islâmica Palestina na Cisjordânia, Bassem Saadi (à esquerda) e seu genro Ashraf al-Jada, em uma foto sem data.

One thought on “FDI em alerta máximo para represália da Jihad Islâmica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.