Fim do lockdown ainda não está decidido

Israel permanecerá em estado de bloqueio pelo menos até domingo à meia-noite, decidiu o gabinete do coronavírus nesta terça-feira.

“A decisão de aliviar as restrições e permitir uma saída gradual do bloqueio exigirá uma diminuição constante e certa nas taxas de morbidade, e chegar a isso levará alguns dias”, disseram o Ministério da Saúde e o Gabinete do Primeiro-Ministro.

As únicas mudanças nas restrições atuais são que agora haverá exceções para permitir que parentes próximos viajem mais de um quilômetro para comparecer a um casamento. Além disso, os atletas profissionais poderão retomar o treinamento.

Antes da reunião do gabinete, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu informou que uma decisão final seria tomada na quinta-feira.

LEIA TAMBÉM

A reunião do gabinete, inicialmente marcada para começar à tarde, foi adiada várias horas depois que o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, ressaltou que a taxa de morbidade ainda era muito alta para tomar decisões práticas. Segundo o Prof Gamzu, apesar do fechamento, 3.000 pessoas foram infectadas em um único dia.

Após resistência de Gantz, Katz e outros ministros, a reunião começou, mas exclusivamente para discutir as etapas da estratégia de saída e sua aprovação – não para suspender o fechamento.

Segundo o vice-diretor-geral do Ministério da Saúde, Itamar Grotto, “o sucesso do fechamento resultou em bons índices de morbidade, mas ainda não chegamos ao número que nos permite iniciar a primeira fase de abertura, mas se continuar no ritmo atual, não há motivo para não atingirmos o índice que queremos e começarmos a abrir no domingo” disse ele.

Espera-se que a primeira fase da estratégia de saída do Ministério da Saúde inclua o fim da restrição de viagens de 1.000 metros, a abertura de empresas privadas que não atendem clientes pessoalmente, a abertura de pré-escolas até os seis anos de idade, permissão de visitar familiares, e reabertura de praias e reservas naturais.

O Conselho Nacional de Estudantes e Jovens conclamou o governo a “colocar os alunos no topo da lista de prioridades” e acusou-o de colocar os shoppings antes de “um milhão de adolescentes abandonados”.

O conselho se apoiou em dados publicados pelo Ministério da Educação que mostram que em 94% das pré-escolas não houve infecções; em 54% das escolas primárias não houve infecções; e em cerca de 45% das escolas de ensino fundamental e médio não houve infecções.

De acordo com o plano de saída do ministério, as outras séries abririam em algum momento em dezembro ou janeiro.

Espera-se que Gamzu apresente uma lista de cidades vermelhas na reunião de gabinete no final desta semana e é provável que muitas sejam ultraortodoxas, já que a taxa de morbidade lá é maior do que no resto do país. Políticos haredim disseram que lutarão contra qualquer iniciativa para diferenciar entre cidades vermelhas e verdes.

A lista completa de cidades não é conhecida, mas é provável que inclua Ashdod, Beitar Illit, Beit Shemesh, Bnei Brak, Kiryat Malachi, Netivot, Ofakim, Or Yehudah e Ramla.

Os ministros concordaram em manter o aeroporto fechado até pelo menos 15 de outubro. Nesta quarta-feira, será realizada uma reunião especial sobre o aeroporto.

A presidente do Comitê Coronavírus do Knesset, Yifat Shasha-Biton, abriu a discussão pedindo aos participantes que se concentrassem no plano, mas também levassem em consideração as repercussões do atual fechamento.

“Sabemos que o vírus vai ficar aqui pelo menos mais um ano e não vamos fechar as pessoas em suas casas por um ano”, disse ela. “O país deve aprender a construir uma rotina habitável ao lado do vírus. Ouvimos cada vez mais pessoas, em grande aflição, ameaçando desrespeitar o fechamento. Perdemos a confiança pública. Para evitar a anarquia, precisamos falar com o público com lógica e transparência.”

One thought on “Fim do lockdown ainda não está decidido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *