IsraelNotícias

Fotos das atrocidades levantam questões éticas

No dia 7 de outubro, os terroristas do Hamas não foram os únicos a documentar os crimes de guerra que cometeram durante a sua violência mortal no sul de Israel.

Algumas das suas atrocidades foram captadas por fotojornalistas baseados em Gaza que trabalham para as agências de notícias Associated Press e Reuters, cuja presença matinal na zona fronteiriça violada levanta sérias questões éticas.

O que eles estavam fazendo lá tão cedo, no que normalmente teria sido uma manhã tranquila de sábado? Foi coordenado com o Hamas? Será que os serviços de notícias respeitáveis, que publicaram as suas fotos, aprovaram a sua presença dentro do território inimigo, juntamente com os infiltrados terroristas? Os fotojornalistas que trabalham como freelancers para outros meios de comunicação, como a Reuters, Associated Press, CNN e o The New York Times, notificaram esses meios de comunicação? A julgar pelas imagens de linchamento, rapto e invasão de um kibutz, parece que a fronteira foi violada não só fisicamente, mas também jornalisticamente.

Quatro nomes aparecem nos créditos fotográficos da área fronteiriça entre Israel e Gaza em 7 de outubro: Hassan Eslaiah, Yousef Masoud, Ali Mahmud e Hatem Ali.

Eslaiah, um freelancer que também trabalha para a CNN, atravessou a fronteira para Israel, tirou fotos de um tanque israelense em chamas e depois capturou infiltrados entrando no Kibutz Kfar Azza.

O HonestReporting obteve capturas de tela dos tweets de Eslaiah no X, agora removidos, nos quais ele se documentou em frente ao tanque israelense. Ele não usava colete de imprensa nem capacete, e a legenda em árabe de seu tweet dizia, “ao vivo de dentro dos assentamentos da Faixa de Gaza”.

LEIA TAMBÉM

Masoud, que também trabalha para o The New York Times , também estava lá, bem a tempo de pisar em território israelense e tirar mais fotos dos tanques.

Ali Mahmud e Hatem Ali foram posicionados para tirar fotos dos horríveis sequestros de israelenses em Gaza.

Mahmud capturou a caminhonete que transportava o corpo da alemã-israelense Shani Louk e Ali tirou várias fotos de sequestrados na Faixa de Gaza.

Curiosamente, os nomes dos fotógrafos, que aparecem em outras fontes, foram removidos de algumas das fotos do banco de dados da AP. Talvez alguém na agência tenha percebido que isso levantava questões sérias em relação à sua ética jornalística.

A Reuters publicou fotos de dois fotojornalistas que também estavam na fronteira bem a tempo da infiltração do Hamas, Mohammed Fayq Abu Mostafa e Yasser Qudih.

Ambos tiraram fotos de um tanque israelense em chamas no lado de Israel da fronteira, mas Abu Mustafa foi mais longe, tirou fotografias de uma multidão de linchadores brutalizando o corpo de um soldado israelense que foi arrastado para fora do tanque.

A Reuters inclusive adicionou um aviso gráfico à legenda da foto, mas isso não impediu que os editores a rotulassem como uma das “Imagens do Dia” em seu banco de dados editorial.

As agências de notícias podem alegar que essas pessoas estavam apenas fazendo o seu trabalho. Documentar crimes de guerra, infelizmente, pode fazer parte disso. Mas não é tão simples.

É sabido que o Hamas planejou o seu ataque de 7 de outubro a Israel durante muito tempo: a sua escala, os seus objetivos brutais e a sua enorme documentação foram preparados durante meses, senão anos. Tudo foi levado em consideração, os desdobramentos, o momento, bem como o uso de câmeras corporais e vídeos de celulares para compartilhar as atrocidades.

É concebível presumir que “jornalistas” simplesmente apareceram de manhã cedo na fronteira, sem coordenação prévia com os terroristas? Ou eles faziam parte do plano?

Mesmo que não soubessem os detalhes exatos do que iria acontecer, quando tudo aconteceu, será que não perceberam que estavam violando uma fronteira? E se sim, notificaram as agências de notícias? Sem dúvida foi necessário algum tipo de comunicação, antes, depois ou durante o ataque, para que as fotos fossem publicadas.

De qualquer forma, quando as agências de notícias internacionais decidem pagar por material que foi capturado em circunstâncias tão problemáticas, os seus padrões podem ser questionados e o seu público merece saber disso. E se o seu pessoal no terreno colaborou ativa ou passivamente com o Hamas para obter as imagens, deveria ser chamado a redefinir a fronteira entre o jornalismo e a barbárie.

Fonte: Revista Bras.il a partir de HonestReporting
Fotos: HonestReporting

One thought on “Fotos das atrocidades levantam questões éticas

  • Ana Lima

    É verdade,muito estranho tudo isso sinistro tudo isso,espero que tudo venha a tona

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo