Governo anuncia nova ajuda aos afetados pelo COVID

O Ministério das Finanças divulgou, neste domingo, um novo programa de assistência econômica, que oferece mais uma vez benefício para famílias, para empresas e para trabalhadores desempregados afetados pela pandemia do coronavírus.

O programa oferece uma nova rodada de bolsas familiares de NIS 750 por adulto, NIS 500 por cada criança até o quarto filho e NIS 300 para o quinto filho ou mais.

“Em breve seremos o primeiro país do mundo a sair do coronavírus e abrir nossa economia”, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ao revelar o plano com o ministro das Finanças, Israel Katz. “Mas agora, chegamos a uma fase decisiva e, nesta fase, devemos fazer duas coisas: primeiro, continuar a dar mais ajuda aos afetados e, segundo, impulsionar nossa economia, incentivando os negócios e o consumo.”

O plano foi apresentado apesar das objeções do procurador-geral Avichai Mandelblit, que disse que anunciar tal plano durante uma temporada eleitoral não era apropriado. E foi recebido com ceticismo pelos rivais políticos de Netanyahu.

LEIA TAMBÉM

“Nem o governo nem os altos funcionários financeiros viram os detalhes do plano e, por uma razão – não há nenhum”, tuitou Benny Gantz quando o plano foi anunciado. “É muito triste que Netanyahu esteja mais uma vez fazendo promessas que não vai cumprir e deixa centenas de milhares de israelenses esperando por ajuda”.

Além dos subsídios familiares, o plano inclui outros itens para restaurar a economia:

– As empresas cujas receitas caíram 25% ou mais durante os fechamentos do coronavírus receberão uma concessão de até NIS 30.000, dependendo do tamanho e extensão do dano. Os novos negócios abertos em 2020 teriam direito a uma bolsa de até NIS 8.000.

– Um plano para incentivar o retorno dos funcionários ao trabalho. Pessoas que ficaram desempregadas por mais de 80 dias consecutivos e voltaram ao trabalho por um período de quatro meses receberiam um pacote que mais do que dobraria seus benefícios de desemprego.

– Um subsídio especial para deficientes totalizando NIS 500 milhões seria definido.

– As pequenas empresas teriam a opção de parcelar os pagamentos do IVA ao longo de seis meses.

– Às empresas seria oferecido estender o prazo do pagamento dos empréstimos, e novos empréstimos seriam disponibilizados para empresas em risco.

– Benefícios de desemprego estariam disponíveis para trabalhadores autônomos que não foram considerados elegíveis para tais benefícios até agora.

– Seria feita uma redução das regulamentações que sufocam o crescimento dos negócios e seriam definidos termos mais fáceis para o licenciamento de negócios.

– Reformas que permitiriam às empresas de pensão e de seguros investir em alta tecnologia e infraestrutura israelense, injetando novos fundos no sistema.

Netanyahu rejeitou as alegações de que o plano era apenas “jogada eleitoral”, dizendo que é uma necessidade essencial.

“Este é um plano econômico eleitoral porque ajuda os cidadãos israelenses?” perguntou. “Talvez o procurador-geral queira me dizer quantas vacinas posso trazer? Não nos ocorre prejudicar a saúde ou a subsistência de nossos cidadãos por causa das eleições”.

O presidente do Bait Yehudi, Naftali Bennett, expressou cinismo sobre o plano. “Embora você pudesse fazer todas essas coisas lindas, você optou por não definir um orçamento e evitou tudo”, disse ele. “Se o povo de Israel pudesse alimentar seus filhos com as promessas desse governo ruim, não haveria milhares de pessoas famintas agora.”

O candidato a primeiro-ministro Gideon Sa’ar, líder do Partido Nova Esperança, respondeu ao anúncio do plano econômico dizendo que tem seu próprio plano para a recuperação econômica, cujo primeiro objetivo é reduzir o desemprego.

Se o partido Azul e Branco se opuser ao plano, Netanyahu não poderá levá-lo à aprovação do governo em nenhum caso, porque o consentimento de ambas as partes é necessário para cada questão da agenda. “Se o plano não for aprovado agora, será adiado por muitos meses até que o próximo governo seja formado”, esclareceu Netanyahu. “As pessoas não podem esperar.”

Foto: DaphnaAM – Pixabay