Governo pode restringir transportes para conter a propagação do vírus

O Gabinete do Primeiro Ministro de Israel está considerando medidas para reduzir o uso de trens, ônibus e VLT. A principal preocupação é que as chances de infecção por coronavírus aumentem em grandes multidões.

A resolução, no entanto, encontrou alguns problemas: primeiro, não está claro quem está encarregado de fazer cumprir a resolução e quanto tráfego as empresas de transporte devem cortar e onde. Além disso, não está claro qual compensação as empresas que conseguirem reduzir sua base de usuários receberão. Foi acordado que o Gabinete do Primeiro Ministro fará parceria com o Ministério dos Transportes, Infraestrutura e Segurança Viária para considerar diferentes cenários com o objetivo de reduzir as chances de infecção no transporte público, com ênfase nos trens.

O sindicato dos trabalhadores dos transportes enviou uma carta ao Ministro dos Transportes, Bezalel Smotrich, exigindo que forneça aos motoristas as proteções adequadas contra os milhares de passageiros com quem eles entram em contato. Na carta, também dirigida aos dirigentes das várias empresas de transporte público de Israel, o sindicato pediu que Smotrich obrigasse essas empresas a fornecer a todos os motoristas, luvas, máscaras e desinfetantes para as mãos. O sindicato dos funcionários dos trens enviou ao Ministério uma solicitação semelhante em relação aos seus próprios condutores.

Se o governo decidir impor limitações ao transporte público, a decisão poderá ter várias consequências. De acordo com a divisão de pesquisa do parlamento israelense, no final de 2019, 16 empresas de ônibus estavam ativas em Israel, fazendo cerca de 2 milhões de viagens diariamente em cerca de 9.700 veículos. Cerca de metade de todos os trajetos acontecia com clientes pagantes e o restante era subsidiado pelo estado, por exemplo, para soldados.

A menor disponibilidade de transporte público tornará os trens já lotados – especialmente aos domingos e quintas-feiras, quando os soldados se deslocam de e para suas bases – ainda piores. Muitas pessoas que dependem de transporte público para chegar ao trabalho ou atender a chamados terão dificuldades. Como Israel possui um número relativamente baixo de veículos particulares per capita – aproximadamente 350 carros para cada 1.000 pessoas, metade do número médio em comparação com a maioria dos países europeus – a limitação do transporte público prejudicará duplamente a economia local.

Por um lado, muitas pessoas não têm como trabalhar e nem todos podem trabalhar em casa. Por outro lado, sem transporte público, muitas pessoas recorrem a seus carros particulares, tornando as estradas já congestionadas de Israel ainda mais lotadas. Como em tudo, os menos favorecidos sofrerão desproporcionalmente, pois são os que mais dependem do transporte público.

Ainda não está claro quais medidas o governo tomará para restringir o transporte público, se assim o decidir. Para os trens, embora seja difícil de realizar e tenha implicações financeiras, o número de passageiros em cada trem poderia ser potencialmente controlado, mas para os ônibus, essas medidas serão muito mais complexas, pois caberá aos próprios motoristas limitar o número de passageiros – uma ação que poderia incitar a raiva e até a violência daqueles impedidos de embarcar. Os executivos do setor acham que seria mais fácil decretar um toque de recolher de 14 dias em todo o país do que controlar o número de passageiros em cada viagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *