Hamas pede escalada contra Israel

Os líderes de grupos terroristas da Faixa de Gaza se reuniram, na quarta-feira, para emitir um apelo unificado por uma escalada contra Israel, à medida que as tensões aumentam em torno do Monte do Templo e da Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém.

O grupo terrorista Hamas, que governa Gaza, convocou a reunião depois de prometer interromper a atividade de ativistas judeus no local sagrado “a qualquer custo”. O líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, liderou a reunião.

“Estamos declarando uma mobilização geral em todos os lugares onde nosso povo está localizado. Estamos pedindo às massas que saiam às centenas de milhares para proteger nossa nação e nossa mesquita”, disseram os grupos de Gaza em um comunicado.

O mês sagrado muçulmano do Ramadã, tipicamente um período de alta tensão, está em andamento, e milhares frequentam as orações em Jerusalém.

“Convocamos nosso povo a marchar e sair às centenas de milhares para realizar as orações de sexta-feira em Al-Aqsa”, disseram os grupos, segundo o Canal 12. A rede disse que todas as “facções” em Gaza estavam representadas na reunião. A Faixa de Gaza abriga outros grupos terroristas, incluindo a Jihad Islâmica, rival do Hamas.

A reunião foi convocada para discutir “ameaças sionistas de invadir a mesquita de Al-Aqsa na sexta-feira e realizar sacrifícios”, entre outras questões, disse uma fonte palestina sênior ao Safa News. No início desta semana, um grupo judaico extremista pediu sacrifícios rituais no local, inflamando o público palestino e os líderes árabes.

LEIA TAMBÉM

O vice-líder político do Hamas, Saleh al-Arouri, também pediu uma escalada depois que tropas israelenses de contraterrorismo prenderam suspeitos palestinos na cidade de Silwad, na Samaria e Judeia..

“Apelamos a toda a nossa nação para mobilizar e apoiar Silwad e todas as áreas de conflito”, disse al-Arouri.

O Fatah, na região da Samaria e Judeia, também pediu que o público palestino vá a áreas sensíveis na quinta-feira e “confronte as forças das FDI e colonos em toda a região”, segundo a Rádio do Exército.

Dezenas de milhares já eram esperados para participar das orações de sexta-feira em Al-Aqsa. A maioria dos fiéis cruzará para Israel sem permissão para o Ramadã, parte de uma política para afrouxar as restrições israelenses normalmente rígidas ao movimento palestino para o feriado.

A justificativa é que permitir a entrada de milhares de palestinos traz um claro risco de segurança para Israel, mas reprimir os fiéis durante o Ramadã pode desencadear um surto de violência.

O Monte do Templo é o epicentro emocional do conflito israelo-palestino e as tensões ali podem facilmente se transformar em conflagrações mais amplas. O Hamas e outros grupos terroristas baseados em Gaza invocaram repetidamente o local sagrado como uma linha vermelha. As ações da polícia para reprimir os tumultos no ano passado ajudaram a desencadear a guerra de 11 dias em Gaza, em maio.

O local é o lugar mais sagrado do judaísmo, e a mesquita é o terceiro lugar mais sagrado do islamismo. Os judeus têm permissão para visitar o complexo, mas não podem orar ou realizar rituais religiosos, como parte de um delicado status quo.

Além do atrito do feriado, as tensões entre Israel e os palestinos aumentaram nas últimas semanas após uma série de ataques que mataram 14 israelenses,  no mais mortal surto de violência em Israel em anos. Os ataques provocaram contramedidas das forças de segurança israelenses, incluindo prisões que se transformaram em confrontos violentos.

O Ramadã, a Páscoa e o Pessach se sobreporão neste mês, aumentando ainda mais o risco de conflito. Autoridades israelenses alertam há meses que a convergência pode desencadear uma escalada de violência.

Mais cedo na quarta-feira, o Hamas ameaçou Israel sobre os planos de ativistas judeus de realizar sacrifícios rituais no Monte do Templo para a Páscoa.

O grupo extremista Returning to the Mount, que defende a construção de um terceiro templo judaico no local que já abrigou os dois templos bíblicos, postou no Facebook na segunda-feira que ofereceria um prêmio em dinheiro para aqueles que conseguissem sacrificar um cordeiro no Monte do Templo, e para qualquer um preso tentando fazê-lo.

Um pequeno grupo de extremistas judeus tem procurado ocasionalmente realizar o sacrifício da Páscoa biblicamente ordenado no Monte do Templo. A polícia tem detido regularmente os que tentam fazê-lo e que não tiveram sucesso nos últimos anos.

A campanha dos pretensos sacrificadores deste ano ganhou enorme força na mídia palestina e árabe após o post de mídia social oferecendo prêmios em dinheiro para os presos em flagrante.

A postagem atraiu ameaças do Hamas e condenação da Jordânia e da Autoridade Palestina.

“Enfatizamos que isso representa uma escalada perigosa que cruza todas as linhas vermelhas, pois é um ataque direto à crença e aos sentimentos de nosso povo e nossa nação durante este mês sagrado”, disse o Hamas. “Consideramos Israel responsável por todas as suas repercussões.”

Fonte: The Times of Israel
Foto: Anas-Mohammed (Shutterstock)