Líder da Lista Conjunta incita árabes a abandonar a Polícia

O líder do partido árabe Lista Conjunta, Ayman Odeh, causou indignação no domingo quando disse que os árabes israelenses servindo nas forças de segurança estavam “humilhando” seu próprio povo e pediu-lhes que largassem suas armas e desistissem.

Em um vídeo gravado no Portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, Odeh também disse que seu objetivo final era ver a bandeira palestina tremulando sobre Jerusalém,

Os comentários do legislador provocaram pedidos para investigá-lo por incitar a violência e foram feitos no momento em que Israel enfrenta a onda mais mortal de ataques terroristas em décadas.

Entre os mortos nos últimos ataques está um oficial árabe israelense, Amir Khoury, que foi aclamado como um “herói de Israel” depois de morrer em um tiroteio enfrentando o terrorista que realizou o ataque a tiros em Bnei Brak.

“Recentemente, encontrei muitos grupos da Jerusalém árabe ocupada. Jovens palestinos com cidadania israelense me disseram que estão sendo prejudicados e humilhados. É importante para mim dizer daqui, dos portões de Damasco, que é uma humilhação para um de nossos filhos se juntar às forças de segurança”, disse Odeh no vídeo postado no Facebook.

Os portões de Damasco têm sido palco de confrontos quase diários entre palestinos e a polícia de Israel desde o início do mês sagrado muçulmano do Ramadã.

LEIA TAMBÉM

“Os jovens não devem se juntar às forças de ocupação. Apelo aos jovens que já aderiram, que não são mais do que um por cento, um total de alguns milhares, cuja adesão é insultante e humilhante, eu os chamo – jogue as armas na cara deles e diga-lhes que o nosso lugar não está com vocês. Não faremos parte da injustiça e do crime”, disse ele, dizendo que os árabes israelenses tinham que fazer parte do “povo árabe palestino e em uma guerra justa para acabar com a ocupação criminosa”.

Seus comentários provocaram indignação de muitos e a mídia israelense informou que a polícia havia pedido uma opinião ao Procurador-Geral se seus comentários justificavam a abertura de uma investigação sobre incitamento à violência.

Vários parlamentares do partido Likud também pediram que Odeh fosse investigado.

“O apelo de Ayman Odeh para que os policiais muçulmanos joguem suas armas no chão, em um momento em que Israel está no meio de uma batalha contra o terror de dentro e de fora, é um grave incitamento que pode levar à violência contra os policiais e prejudicar a segurança da população”, tuitou o ex-ministro das Finanças, Israel Katz. “O lugar de Odeh não é na Knesset, mas na prisão.”

“Em um mundo justo, esse homem seria preso esta noite e julgado rapidamente”, disse o ex-ministro de segurança interna do Likud, Amir Ohana.

“Mas em nosso mundo, ele ainda pode ser uma rede de segurança para o governo de Bennett, Sa’ar e Avigdor Lieberman”, disse ele referindo-se à especulação de que o atual governo poderia contar com o apoio externo do partido de Odeh depois de perder sua maioria na Knesset esta semana.

Em resposta, o partido Yamina, do primeiro-ministro Naftali Bennett, divulgou uma declaração dizendo que “apesar dos rumores, a Lista Conjunta não fará parte da coalizão ou do governo” e acusou o Likud e outros partidos de oposição de colaborar com Odeh para tentar derrubar o governo.

Odeh se recusou no sábado a se comprometer a participar de qualquer possível voto de desconfiança para derrubar o governo se isso significar ajudar o líder da oposição Benjamin Netanyahu.

Ele disse que ainda é muito cedo para falar sobre a dissolução da Knesset, apesar de o governo ter perdido sua estreita maioria no parlamento depois que Idit Silman, membro do próprio partido Yamina de Bennett, deixou a coalizão.

Com a coalizão agora ocupando apenas metade dos assentos da Knesset, o Likud de Netanyahu está tentando obter legisladores suficientes para apoiar um voto de desconfiança, provocando novas eleições. Como resultado, a Lista Conjunta, com seis assentos, poderia ser o equilíbrio de poder.

Embora Odeh tenha dito que a atual coalizão é “um governo ruim de direita” que está prejudicando os árabes israelenses, ele enfatizou que Netanyahu não é uma alternativa viável em sua opinião.

“Se alguém acha que faremos parceria com Netanyahu para um voto construtivo de desconfiança – de jeito nenhum”, disse Odeh durante entrevista ao canal 12.

“Somos os mais distantes do Likud – era o que éramos, o que permaneceremos – especialmente com o Likud de hoje com Benjamin Netanyahu”, disse ele. “Acho que Netanyahu é a pessoa mais perigosa do país”.

Odeh observou que “ninguém do governo se aproximou de nós” após os recentes acontecimentos.

O deputado Mansour Abbas, que lidera o Ra’am, um partido islâmico árabe que está na coalizão, disse ao Canal 12 que seu partido não será persuadido a desertar para a oposição.

“Não deixarei este governo desmoronar, mesmo que tenha um compromisso de Netanyahu”, disse Abbas.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Captura de tela (Facebool)

2 thoughts on “Líder da Lista Conjunta incita árabes a abandonar a Polícia

Fechado para comentários.