Palestinos vandalizam Túmulo de José

Manifestantes palestinos vandalizaram o túmulo de José na cidade de Nablus, na Samaria e Judeia, na noite de sábado, em meio a confrontos com as Forças de Defesa de Israel (FDI), danificando a lápide, um lustre pendurado acima dela, um tanque de água e um armário de eletricidade.

O vandalismo ocorreu em meio à segunda noite de operações de prisão feitas pelas forças de segurança israelenses na Samaria e Judeia, após um ataque terrorista na noite de quinta-feira em Tel Aviv, que custou três vidas.

O terrorista, Raad Hazem, era da vizinha cidade palestina de Jenin.

“Não aceitaremos esse tipo de ataque a um lugar que é sagrado para nós, principalmente na véspera de Pessach”, disse o primeiro-ministro Naftali Bennett. “Vamos alcançar os desordeiros. Claro, vamos nos certificar de reconstruir o que eles destruíram, como sempre fazemos”.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, chamou a destruição do local sagrado de “extremamente séria” e disse que “enviou uma ‘mensagem afiada’ à Autoridade Palestina sobre isso”.

O ataque ao local sagrado judaico, alguns dias antes de Pessach, alimentou as tensões religiosas, que já eram altas devido ao simultâneo mês sagrado muçulmano do Ramadã, já que a comunidade internacional pressionou Israel a garantir a liberdade de culto.

“O vandalismo do Túmulo de José é um evento grave e uma grave violação da liberdade de culto em um dos lugares mais sagrados para todo judeu. Isso viola os sentimentos de toda a nação judaica, especialmente quando ocorre durante o mês sagrado muçulmano”, disse Gantz.

LEIA TAMBÉM

“O Estado de Israel tomará medidas para garantir que o local seja reformado e rapidamente devolvido à sua condição original. Além disso, tomaremos todas as medidas necessárias para evitar tais incidentes”.

Falando em três idiomas – hebraico, árabe e inglês – Gantz disse que determinou “o reforço imediato da segurança no local e uma ação decisiva contra desordeiros e terroristas que prejudicam a estabilidade e a segurança em lugares sagrados”.

“Atacar locais sagrados é atacar o coração de um povo”, disse o ministro do Exterior, Yair Lapid. “Os palestinos que destruíram o túmulo de José procuram semear destruição e devastação durante uma festividade sagrada. Isso é um dano sério não apenas para o túmulo em si, mas para os sentimentos profundos do povo judeu.

“Nós levaremos os culpados à justiça e repararemos o Túmulo de José. Apelo a todos para que promovam calma e tranquilidade”, disse ele.

“Condeno veementemente a destruição do túmulo de José esta noite pelos palestinos”, disse o ex-primeiro-ministro e líder da oposição Benjamin Netanyahu. “Este é um grave ataque a um lugar importante e sagrado para o povo judeu, na véspera da Páscoa. O local deve ser renovado imediatamente e a paz e a segurança devem ser restauradas”.

“O vandalismo no Túmulo de José mostra, repetidas vezes, como é difícil para os palestinos termos retornado à nossa pátria”, disse o deputado Ofir Sofer, do Likud. Ele fez referência ao Midrash Rabbah em Gênesis, que afirma que existem três locais que “as nações do mundo nunca poderão tomar” dos judeus: o Monte do Templo, a Caverna dos Patriarcas e o Túmulo de José.

O Conselho de Yesha disse que a “destruição” da tumba “é outra linha vermelha que foi ultrapassada e que atesta um nível de violência e a perda de dissuasão por parte das forças de segurança palestinas”.

“Estamos horrorizados com o incidente e exigimos forte condenação de todos os partidos políticos. As FDI devem retornar ao local da tumba de José e preservar o lugar sagrado”, disse o comunicado.

O Túmulo, localizado em Nablus, construído no local da cidade bíblica de Siquém, permaneceu nas mãos das FDI após os Acordos de Oslo de 1993, mas foi entregue à Autoridade Palestina em outubro de 2000. Aconteceu após um tiroteio no local em que 17 Palestinos e um cabo da Polícia de Fronteiras, Madhat Yusuf, 19, de Beit Jann, foi morto. A Yeshiva Od Yosef Hai, que estava localizada lá desde 1982, foi forçada a se mudar. Mudou-se para a comunidade de Yitzhar.

O acesso de judeus ao local é limitado e ocorre apenas com escolta das FDI, embora existam fiéis judeus que entram ilegalmente em Nablus para rezar no túmulo.

O pequeno edifício localizado perto de uma escola foi severamente vandalizado no passado. O chefe do Conselho Regional de Samaria, Yossi Dagan, pediu no domingo que as FDI retomem o controle da tumba, permitam que a yeshiva de Od Yosef Hai retorne e a abram permanentemente aos fiéis judeus.

“Pedimos o retorno imediato das FDI”, disse Dagan, que lembrou que a tumba foi destruída pelos palestinos quando a incendiaram em 2015 e restaurada pelo Conselho Regional de Samaria.

Dagan disse que, ao permitir que a tumba fosse destruída mais uma vez, a Autoridade Palestina mostrou que não era diferente do ISIS.

O Land of Israel Caucus, é um grupo de lobby dentro da Knesset cujo objetivo é “fortalecer o domínio do Estado de Israel” na região da Samaria e Judeia. É um dos maiores e mais ativos grupos de lobby dentro da Knesset, liderado pelos deputados Yoav Kisch , do Likud e Orit Struck, do Partido Sionista Religioso que planeja visitar o túmulo na noite de segunda-feira.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Conselho Regional da Samaria

2 thoughts on “Palestinos vandalizam Túmulo de José

Fechado para comentários.