FDI, polícia e Shin Bet criticam cobertura da mídia

As unidades porta-vozes da Polícia de Israel, FDI e Shin Bet (Agência de Segurança de Israel) enviaram uma carta conjunta a “todos os meios de comunicação” do país, denunciando a cobertura do atentado em Tel Aviv, chamando-os para examinar e aprender lições com o incidente.

Na noite de quinta-feira, repórteres seguiram soldados das FDI durante a caça ao terrorista fugitivo, em um ponto até filmando quase diretamente sobre seus ombros enquanto vasculhavam um prédio.

Embora a polícia tenha dito que havia solicitado que os repórteres ficassem longe, eles admitiram que não fecharam a área e não exigiram oficialmente que o material fosse censurado. “A recente situação de segurança tem sido sensível e desafiadora para todos nós – o público em geral, os órgãos de segurança e emergência e a mídia israelense”, começou a carta.

“Os incidentes de segurança acentuam o papel especial que cada um de nós tem: o papel profissional de fornecer segurança, de dar cobertura à realidade no terreno e de chamar a atenção do público, e não menos importante: fortalecer o sentimento de segurança e prevenir a distribuição de notícias falsas que podem aumentar a ansiedade e o pânico do público. O grave ataque terrorista ocorrido na rua Dizengoff e o fato de a área não ter sido ‘fechada’ imediatamente, provocaram, infelizmente, uma conduta midiática que lembrava os telespectadores de programas de televisão que nada têm a ver com uma situação de emergência”.

“Alguns dos canais de TV transformaram a caça ao terrorista em um reality show real, sem nenhuma censura ou autocrítica”, acrescentou a carta em negrito. A carta passou a criticar a mídia por revelar segredos como os rostos de soldados de unidades especiais e os equipamentos e táticas que eles estavam usando. Isso colocou em perigo as forças, bem como as próprias equipes de mídia, dizia a carta. A carta também condenou veementemente o “preocupante aumento de informações sem base, algumas delas até notícias puramente falsas”, o que poderia ter causado pânico generalizado.

LEIA TAMBÉM

A carta foi concluída com uma nota conciliatória. Os porta-vozes escreveram que se viam como parceiros plenos da imprensa para manter o público atualizado e disseram que estariam conduzindo uma investigação para tirar lições do incidente.

Eles escreveram, no entanto, que era “necessário” que os meios de comunicação aprendessem as lições apropriadas e estabelecessem diretrizes para a cobertura de eventos de segurança em tempo real.

Mais cedo, na sexta-feira, o Conselho da Segunda Autoridade para Televisão e Rádio, que regula e supervisiona as transmissões comerciais, também se manifestou contra a cobertura, dizendo que havia “ultrapassado as linhas vermelhas” e que investigaria o assunto.

“O direito do público de saber é um valor alto, mas não anula o direito das forças de segurança de realizar suas tarefas com segurança e profissionalismo”, disse o chefe do conselho, Eden Bar Tal. “Em qualquer caso em que a vida humana esteja em jogo, o comportamento [da mídia] deve ser extremamente cuidadoso e responsável”.

Vários políticos também condenaram a cobertura.

O primeiro-ministro Naftali Bennett pediu aos meios de comunicação que ajam com responsabilidade e não semeiem pânico desnecessário. “Este não é um reality show, são nossas vidas”, disse ele.

O deputado e presidente do Comitê de Segurança Pública da Knesset, Merav Ben Ari (Yesh Atid), chamou a cobertura de “vergonhosa” e uma “transmissão ininterrupta de pânico e histeria”.

O ministro das Comunicações, Yoaz Hendel (Nova Esperança), disse que a cobertura era “ilegal” e acrescentou que abordaria o assunto com as agências envolvidas.

Alguns dos canais de notícias não aceitaram as críticas.

O âncora do Canal 12 Ulpan Shishi, Danny Kushmaro, admitiu que o canal revisaria sua cobertura desde a noite do ataque, mas disse que nem a polícia nem as FDI deram uma ordem explícita para recuar. É essencialmente para isso que existe o censor das FDI, e se ele não pode cumprir sua função em tempo real, então é irrelevante, argumentou.

A apresentadora do Pgosh Et HaItonut, também do Canal 12, Rina Matzliah, adotou um tom mais duro, argumentando que as FDI, Shin Bet e especialmente a Polícia de Israel têm unidades de porta-voz inteiras que não estavam em lugar algum. Sua tentativa de culpar a grande mídia por seus erros foi uma tentativa de desviar a atenção das falhas de segurança e do caos após o ataque.

O correspondente diplomático da Walla News, Barak Ravid, também discordou da carta das agências de segurança.

“Também tenho muitas críticas à cobertura da noite passada, mas com todo o respeito às FDI, Shin Bet e porta-vozes da polícia, em um país democrático a imprensa é o órgão que cobre e critica o aparato de segurança e não o contrário”, escreveu Ravid no Twitter na sexta-feira.

“A carta das três agências foi imprópria e não deveria ter sido escrita”, escreveu ele.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Captura de tela

One thought on “FDI, polícia e Shin Bet criticam cobertura da mídia

Fechado para comentários.