Hospital virtual cuida de refugiados ucranianos

O Sheba Medical Center de Israel está liderando uma missão médica inovadora que está levando tecnologias de telemedicina para ajudar os refugiados.

Sarit Lerner, diretora de tecnologia do Sheba Beyond, o hospital virtual do Sheba Medical Center de Israel, viajou para a Moldávia com uma delegação inicial de 15 médicos e paramédicos da organização voluntária de resposta a emergências israelense United Hatzalah (HU). Após o desembarque em Bucareste, na Romênia, a equipe dirigiu sete horas até Kishinev, na Moldávia, de onde mais de 15.000 refugiados da Ucrânia já haviam fugido.

Esta é a primeira vez que uma delegação do HU inclui em seu atendimento, a telemedicina que permite exames físicos no local, ultrassonografias pré-natais, monitoramento de sinais vitais e análise de amostras de sangue.

As tecnologias israelenses, incluindo o kit de exame remoto TytoCare, permitem que os médicos do Sheba emprestem seus conhecimentos na área sem deixar o centro médico de Ramat Gan, na área de Tel Aviv. “Pelo que sei, esta é a primeira vez que uma missão humanitária está agregando valor extraordinário aos socorristas de lá”, diz a Dra. Galia Barkai, diretora geral do Sheba Beyond. “Sarit levou consigo a tecnologia que traz todos os excelentes médicos e especialistas de Sheba para a zona de guerra”.

Além do TytoCare, que Lerner usou imediatamente para verificar os pulmões, coração, boca, ouvidos, pele, temperatura e níveis de saturação de oxigênio das crianças refugiadas, ela trouxe um dispositivo da Biobeat Medical Technologies que monitora os sinais vitais e os exibe no painel do médico remoto em tempo real. Ela também está usando o aparelho de ultrassom pré-natal da Pulsenmore que tira imagens no ponto de atendimento para serem analisadas por Sheba OB/GYNs em Israel.

Outra tecnologia que Lerner levou é o analisador de sangue portátil i-STAT da Abbott Labs.

LEIA TAMBÉM

“Podemos usar o dispositivo portátil do i-STAT para realizar análises químicas e gasométricas do sangue”, diz Barkai. “Espero que da próxima vez possamos trazer um dispositivo para fazer hemograma completo também, para completar o quadro”.

Barkai diz que Lerner está em constante comunicação com a equipe do Sheba por meio de videochamadas. Além de seu trabalho de campo com socorristas, ela também visitará hospitais locais na Moldávia para avaliar suas necessidades e determinar como o Sheba Beyond pode ajudar. Barkai diz que a administração do Sheba percebeu o valor da telemedicina antes mesmo da pandemia.

No entanto, “durante o Covid-19, tivemos a chance de realmente experimentar muitas dessas tecnologias porque estávamos tratando pacientes muito mais à distância”.

“Sheba Beyond foi um verdadeiro lado positivo da pandemia”, diz ela. “O mundo mudou para ser mais aberto ao uso de tecnologias de telemedicina”.

“A maior parte da nossa experiência começou durante a primeira onda do Covid-19 e agora vimos o que funciona bem e o que funciona menos. Foi quando decidimos que era a hora certa de realmente estabelecer uma nova organização para levar a experiência médica de Sheba a qualquer lugar do mundo”.

Lerner disse que assim que a missão da HU para os refugiados ucranianos se cristalizou, ficou claro para a liderança de Sheba Beyond que ela tinha um papel a desempenhar.

“Vejo a viagem como uma verdadeira representação de todos nós”, disse Lerner. “Temos a responsabilidade de utilizar as informações e os recursos que possuímos para ajudar outras pessoas necessitadas e fornecer assistência humanitária a nossos semelhantes em qualquer lugar do mundo”.

Fonte: United With Israel
Foto: Cortesia Sheba Medical Center