Israel afrouxa regras de quarentena para vacinados

O número de novos casos de COVID em Israel atingiu seu maior valor em três meses, na terça-feira, com o número de casos graves permanecendo estável.

O primeiro-ministro Naftali Bennett anunciou uma mudança nas regras de quarentena para aqueles que forem expostos a um paciente COVID, após uma consulta às autoridades de saúde e outros ministros.

De acordo com as novas diretrizes, qualquer pessoa que esteja totalmente vacinada e tiver contato com um paciente COVID positivo, independentemente de qual cepa, terá que permanecer em quarentena até receber um resultado negativo em um teste PCR. Uma vez liberados, eles não terão permissão para entrar em grandes eventos ou locais com populações de alto risco, como casas de repouso, pelos próximos 10 dias.

Até agora, os israelenses totalmente vacinados não precisavam de quarentena após uma exposição a um paciente COVID, a menos que houvesse suspeita de ser Omicron.

Aqueles que não forem vacinados, por sua vez, serão obrigados a completar sete dias de quarentena com dois testes negativos se forem expostos a um paciente positivo para COVID com qualquer cepa do vírus.

O número de israelenses que receberam sua primeira dose da vacina COVID continuaram relativamente altos, com mais de 10.000 recebendo a primeira dose na segunda-feira, em comparação com menos de 8.000 na semana anterior. Além disso, mais de 8.000 receberam a terceira dose da vacina, em comparação com 5.000 que receberam o reforço uma semana atrás.

LEIA TAMBÉM

As taxas de vacinação de crianças de 5 a 11 anos continuam subindo, mais de um mês depois que as vacinas foram disponibilizadas. Até terça-feira, mais de 15% da faixa etária recebeu pelo menos uma dose da vacina COVID, em comparação com mais de 62% dos jovens de 12 a 15 anos, que se tornaram elegíveis no verão.

No geral, 70% de todos os israelenses receberam pelo menos uma dose da vacina COVID e 45% receberam três doses. Na segunda-feira, o Ministério da Saúde reduziu o intervalo mínimo entre a segunda e a terceira dose para três meses, ante a política anterior de cinco meses.

Desde o início do surto, mais de 1,3 milhão de israelenses testaram positivo para COVID.

Como o número de novos casos continua a disparar, Bennett, nesta terça-feira, se recusou a descartar a possibilidade de um bloqueio, embora ele tenha permanecido firme contra essa medida por meses.

“Meu objetivo desde o início da pandemia é evitar bloqueios tanto quanto possível”, disse ele à rádio pública Kan.  “De qualquer forma, estaremos em uma situação muito desafiadora no que diz respeito à capacidade dos hospitais … Faremos o que é certo. Eu não quero sair e fazer uma declaração, porque é complicado”.

Enquanto isso, a Dra. Sharon Alroy-Preis, chefe do departamento de saúde pública do Ministério da Saúde, disse na terça-feira que Israel pode enfrentar uma escassez de testes de PCR à medida que os casos continuam a disparar. De acordo com a Rádio do Exército, Alroy-Preis disse às autoridades do governo que, se isso ocorrer, ela recomendaria a realização de uma PCR no sétimo dia de quarentena e pular aquela feita no início da quarentena após a exposição.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

One thought on “Israel afrouxa regras de quarentena para vacinados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *