Israel reduz impostos e estende salário-desemprego

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro das Finanças Israel Katz comunicaram que os impostos sobre a compra de uma série de produtos serão cancelados para ajudar os israelenses a lidar financeiramente com a pandemia, e os benefícios de desemprego para israelenses demitidos recentemente foram estendidos por mais um mês.

O plano, anunciado em uma declaração conjunta, reduzirá as taxas e impostos para os seguintes produtos: telefones celulares, eletrônicos, roupas, sapatos, eletrodomésticos e iluminação, brinquedos, cosméticos, produtos para bebês e óculos.

O custo da isenção para os cofres do estado é projetado em 1,45 bilhão de NIS, com impostos sobre a maioria dos produtos oscilando entre 12% e 15% e subindo até 30% para alguns equipamentos de entretenimento. A medida ocorre depois que os gastos do consumidor despencaram acentuadamente à medida que o vírus se espalhou em Israel.

O comunicado diz que a redução nas taxas será permanente. Tanto Katz quanto Netanyahu “receberam uma avaliação eficaz que mostrou que o cancelamento temporário de impostos e taxas sobre compras levou a uma queda significativa nos preços de bens de consumo ao longo do tempo, também em comparação com as tendências de outros países”, afirmou o documento.

Além disso, Netanyahu e Katz concordaram em estender a elegibilidade dos israelenses em licença não remunerada para receber benefícios de desemprego do estado por mais 35 dias, por conta do bloqueio nacional imposto pelo governo por esse período de tempo.

“O objetivo aqui é impulsionar a economia, movimentar as rodas, tornar mais fácil para vocês, cidadãos de Israel”, disse Netanyahu no comunicado.

Katz disse que a “coisa mais importante” era “estender a elegibilidade para o desemprego dos jovens, para dar a eles outro mês pelo período em que a economia estava fechada. Vamos adicionar este mês, para que, quando seu desemprego estiver terminado, eles recebam outro mês. Esta é uma boa notícia para centenas de milhares de israelenses.”

Centenas de milhares de israelenses continuam desempregados devido à pandemia, a maioria deles em licença não remunerada e recebendo benefícios estatais. Segundo o Serviço de Emprego, quase 300.000 voltaram ao trabalho desde meados de abril, quando a economia começou a retomar as atividades, mas mais de 100.000 perderam o emprego. O serviço deixou de divulgar a taxa de desemprego atualizada desde o final de abril, relatando apenas aqueles que retornaram à força de trabalho. O site de notícias da Ynet no sábado informou que o número de desempregados atualmente estaria em 950.000, ante 1,2 milhão em abril.

A economia de Israel contraiu 7,1% no primeiro trimestre de 2020 devido à pandemia de coronavírus, o maior declínio em 20 anos, de acordo com uma estimativa baseada em dados parciais divulgados pelo Escritório Central de Estatísticas, no final de maio. O CBS observou que a contração da economia foi mais severa do que após os ataques de 11 de setembro e a crise financeira global de 2008.

A área da economia que mais sofreu danos foi o consumo privado. De acordo com os números, a única área de gastos pessoais que registrou aumento foi alimentos, bebidas e tabaco, que cresceu 5,8% em relação ao trimestre anterior. Todas as outras áreas – roupas, utensílios domésticos, carros, pequenos itens elétricos, móveis e joias – tiveram uma queda nos gastos dos consumidores.

De acordo com uma pesquisa do governo, no final de maio, quase metade dos israelenses diz que está em pior situação financeira desde a pandemia de coronavírus e mais de um em cada sete temem perder a casa ou reduzir o consumo de alimentos.

3 thoughts on “Israel reduz impostos e estende salário-desemprego

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: