Alunos deverão apresentar teste COVID depois de Sucot

Os alunos que retornarem à escola depois dos feriados de Sucot, deverão apresentar um teste de antígeno COVID negativo, decidiu o gabinete do coronavírus no domingo.

A maioria dos alunos em Israel foi à escola hoje, no último dia antes dos feriados de Sucot, que começa segunda-feira à noite. A maioria das escolas estará fechada durante uma semana, com as crianças retornando às salas de aula em 30 de setembro, dois dias após o fim do feriado.

A nova medida – ainda pendente de aprovação pelo Comitê de Educação da Knesset – deve se aplicar a todos os alunos do pré-jardim de infância até a sexta série.

Antes do início do ano letivo, em 1o de setembro, os pais de todos os alunos da primeira a sexta séries foram solicitados a pegar kits de teste rápido de antígeno nas escolas e administrá-los aos filhos, mas sua admissão não foi obrigatória.

Os testes rápidos podem ser feitos em casa e os resultados demoram menos de 15 minutos. De acordo com a nova medida – aprovada pelo procurador-geral – os pais ou responsáveis ​​serão convidados a pegar um kit de teste nos locais de distribuição do Magen David Adom e assinar uma declaração de que o teste deu negativo.

O plano atraiu críticas de professores de escolas e de jardins de infância, que disseram que não era seu trabalho monitorar a adesão dos alunos às regulamentações de saúde.

LEIA TAMBÉM

Em uma reunião do comitê no domingo, Yaffa Ben David, secretária-geral do Sindicato dos Professores de Israel, disse aos legisladores que diretores de escolas e professores de jardim de infância não deveriam ser “guardiões do coronavírus”.

Ben David disse que, se a regra for aprovada, o sindicato fará uma petição ao Supremo Tribunal de Justiça “para impedir este decreto”.

A associação de professores de jardim de infância também disse em um comunicado que “nós não somos a polícia e nosso trabalho não é impedir a entrada no jardim de infância”.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, divulgadas na manhã de domingo, o número de israelenses hospitalizados em estado grave com COVID atingiu seu nível mais alto em quase três semanas.

Mais de 66% de todas as pessoas em estado grave não foram vacinadas e menos de 8% delas receberam três doses de vacinação. Entre aqueles com menos de 60 anos em estado grave, 80% não foram vacinados e menos de 4% receberam uma dose de reforço.

Na manhã de domingo, 3.040.426 pessoas em Israel – 33% da população total – tinham recebido a terceira dose de reforço da vacina.

Autoridades de saúde israelenses estão preocupadas que a campanha de reforço possa desacelerar após a decisão na sexta-feira da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA de não aprovar vacinas de reforço para a população americana em geral, mas apenas para aqueles com 65 anos ou mais.

O primeiro-ministro Naftali Bennett previu na noite de sábado que os EUA gradualmente começarão a oferecer a terceira dose de forma mais ampla, após serem apresentados aos dados científicos de Israel.

Embora Israel inicialmente tenha disponibilizado o reforço apenas para maiores de 60 anos, todos os israelenses com mais de 12 anos estão atualmente qualificados para receber uma terceira dose se cinco meses se tiverem passado desde a segunda dose.

De acordo com as estatísticas mais recentes do Ministério da Saúde, 66% das pessoas com mais de 90 anos receberam uma terceira dose, assim como 75% das pessoas com 80-89 anos, 78% com 70-79 anos e 70% com 60-69 anos. Entre a população com menos de 60 anos, no entanto, a taxa de doses de reforço cai, com 57% das pessoas de 50 a 59 anos, 46% das pessoas de 40 a 49 anos e apenas 34% das pessoas de 30 a 39 anos.

As autoridades disseram que agora temem uma maior cautela sobre a terceira vacina e possíveis desafios legais sobre a obrigatoriedade de uma terceira dose como parte da política do Passaporte Verde, que deve entrar em vigor em 1º de outubro.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)

One thought on “Alunos deverão apresentar teste COVID depois de Sucot

Fechado para comentários.