Israel e AP juntos no combate ao coronavírus

A IDF e a Autoridade Palestina lançaram um esforço conjunto para impedir a propagação e impedir um surto maciço, disse o Gabinete do COGAT (Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios) – uma unidade do Ministério da Defesa de Israel que se dedica à coordenação de questões civis entre o Governo de Israel, as Forças de Defesa de Israel (IDF), organizações internacionais, diplomatas e a Autoridade Palestina.

De acordo com o relatório, 250 kits de teste COVID-19 foram entregues à Autoridade Palestina sob instrução da coordenadora de saúde do COGAT, Dalia Bassa. Foram estabelecidas sessões conjuntas de treinamento para o pessoal médico israelense e palestino, a fim de fornecer informações sobre proteção pessoal durante o manuseio de uma pessoa que acredita ser portadora do vírus.

O COGAT também forneceu ao público palestino na Judéia e Samaria, governado pela Autoridade Palestina, e na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas, uma tradução para o árabe das instruções do Ministério da Saúde sobre autoquarentena, projetada para evitar um surto maciço da doença. As instruções digitais tornaram-se acessíveis em várias plataformas online.

Um possível cenário temido pelos palestinos é um surto do vírus na Faixa de Gaza. A faixa, que tem cerca de dois milhões de habitantes, é controlada por militantes do Hamas. A crise da saúde em Gaza pode tornar esse surto mortal e colocar em risco diretamente milhões de pessoas nos dois lados da fronteira.

“Bactérias e vírus não param na fronteira, e a disseminação desse vírus perigoso pela Judéia e pela Samaria pode colocar em risco a vida dos moradores do Estado de Israel”, disse Bassa. “O COGAT e o Ministério da Saúde continuarão ajudando as autoridades palestinas a impedir a propagação do vírus”.

Bassa acrescentou que, se necessário, o COGAT “expandirá o treinamento médico do pessoal palestino, bem como a entrega de equipamentos médicos ao sistema de saúde palestino”.

Depois que os funcionários do hotel de Belém foram infectados com o COVID-19 quando entraram em contato com visitantes gregos que tinham o vírus, a IDF, juntamente com as forças de segurança palestinas, isolou a cidade, habitada por quase 30.000 habitantes.

Desde que o presidente palestino Mahmoud Abbas declarou uma emergência nacional depois que 16 residentes foram diagnosticados como portadores do vírus, aproximadamente 3.000 turistas ficaram em quarentena em vários hotéis de Belém, incluindo 14 turistas americanos.

Fonte: Notícias de Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *