Israel em recessão, diz departamento de estatísticas

Israel entrou em uma recessão profunda e difícil, informou o Bureau Central de Estatísticas no domingo. O PIB caiu 28,7% no segundo trimestre de 2020, a primeira vez que isso aconteceu em 40 anos, disse o bureau de estatísticas. O consumo caiu 43,4%, enquanto bens e serviços importados diminuíram 41,7%.

O Bureau atribuiu os resultados à pandemia COVID-19 e às políticas governamentais para contê-la. Entre eles está um bloqueio em todo o país, severas limitações em restaurantes e reuniões públicas e uma suspensão quase completa do turismo. A queda mais severa, 80%, foi relatada para atividades de lazer e eventos culturais. Devido à falta de dados sobre os vários fatores envolvidos na pandemia, os números devem ser tratados com cautela, alertou o relatório.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que a queda na produção israelense foi de “7,8%, metade da queda entre as nações da Europa e uma das mais baixas do mundo”. Isso contradiz o declínio de 28,7% do PIB, calculado pelo bureau de estatísticas.

Esta não seria a primeira vez que o governo entraria em confronto com agências estaduais por causa de estatísticas. O Ministério das Finanças relatou recentemente que encontrou um erro nos números divulgados pelo Banco de Israel em relação à ajuda estatal oferecida por Israel aos seus cidadãos. O banco alegou que os números eram verdadeiros na época.

LEIA TAMBÉM

Na Espanha e no Reino Unido, o declínio do PIB foi de mais de 50%, enquanto na França e Itália foi de mais de 40%, informou o N12 no domingo.

“Este é o resultado de nossa política responsável, que não apenas reduziu o número de mortes [de COVID-19] em Israel, mas também a extensão dos danos causados ​​à economia nacional”, disse Netanyahu.

Os gastos do estado aumentaram 25,2%, em parte por causa do plano “Check for Every Citizen” (Um cheque para cada cidadão) e do programa “Safety Net” (Rede de Segurança), disse o bureau de estatísticas.

O relatório foi divulgado no mesmo dia em que Netanyahu anunciou a aprovação de 8,5 bilhões de NIS para outra parte do plano de estímulo.

O 8,5 bilhões de NIS fazem parte do programa Rede de Segurança e será usado em projetos de transporte, tecnologia e bem-estar para criar 10.000 novos empregos.

Cerca de 2 bilhões de NIS serão destinados à conclusão de projetos de transporte público, incluindo o trem leve da Linha Vermelha de Tel Aviv, que corre o risco de ser interrompido “à medida que os custos se tornam mais altos”, informou o Ministério das Finanças.

NIS 750 milhões serão usados ​​para treinar trabalhadores para a indústria de alta tecnologia e promover a inovação. NIS 700 milhões serão para fornecer segurança alimentar para famílias pobres, um projeto defendido pelo ministro do Interior, Arye Deri.

O plano de NIS 8,5 bilhões está associado a um pacote de NIS 300 milhões destinado a ajudar os hotéis neste momento difícil, quando o turismo no país quase parou.

Criado pelos ministérios da Fazenda e do Turismo, o plano oferece auxílio aos hotéis de junho a maio de 2021 para garantir sua continuidade operacional. Os benefícios serão dimensionados para corresponder à perda de receita dos hotéis maiores, que são mais caros de manter e são elegíveis para benefícios maiores. Mais de 40% dos 430 hotéis do país estão fechados, disseram eles em um comunicado à imprensa no domingo.

“Este é outro passo que estamos tomando para preservar a economia israelense em tempos de crise”, disse o ministro das Finanças, Israel Katz, no domingo.

O Ministro do Turismo, Asaf Zamir, agradeceu a Katz e disse: “Continuaremos a trabalhar para ajudar todas as partes na indústria do turismo a superar a crise do coronavírus.”

Fonte: Jpost

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *