Israel lidera o ranking mundial de doadores vivos de rins

A doação de órgãos de pessoas vivas cresceu 30% durante a pandemia de COVID-19. Religiosos e ortodoxos, à frente das estatísticas.

Em 4 de abril, logo após Pessach, Israel realizará o milésimo transplante patrocinado pela “Matanat Chaim” (Presente da Vida), uma organização israelense que promove doações altruístas de rins.

Esse tipo de doação altruísta, na qual o doador está vivo e não sabe para quem doa seu órgão, pelo menos até que a operação seja concluída, é uma prática difundida principalmente em setores religiosos nacionalistas e ultraortodoxos de Israel.

Susya, um assentamento judeu perto de Hebron, no sul da Cisjordânia, é uma cidade com um recorde de doadores: “Lá você deve se desculpar por não ter doado um rim”, brinca a organização fundada pelo Rabino Yeshayahu Haber, que morreu no ano passado depois de ser infectado com coronavírus.

Benny Kashani, um psicólogo, doou um rim em julho de 2018 e compartilhou sua experiência. “Há alguns anos, li uma história no Ynet sobre um doador altruísta e fiquei muito emocionado. A decisão também pode estar relacionada ao fato de que anos atrás eu me tornei um ativista vegano, e nesse ativismo há também a sensação de estar fazendo algo realmente bom e importante”, disse ele.

LEIA TAMBÉM

O doador israelense médio é um homem judeu de 25 a 40 anos com uma profissão relacionada à educação. As mulheres também contribuem, embora a maioria delas o faça quando o estágio de fertilidade termina. E a motivação desses doadores é predominantemente religiosa. “98% dos doadores israelenses são religiosos ou ortodoxos, muitos deles vivem em assentamentos e seguem o mais alto preceito do judaísmo que é salvar vidas”, explica Eitan Mor, diretor da unidade de transplante do hospital Sheba em Ramat Gan. “No mundo também há uma alta porcentagem de doadores cristãos evangélicos”, acrescenta ele sobre a ligação direta entre religião e doação de órgãos vivos.

De acordo com o site JODT, que publica regularmente estatísticas sobre doações de rins em todo o mundo, Israel está entre os cinco países com o maior número de doadores vivos e ocupa o primeiro lugar em doações de rins. “Só em 2020, durante o coronavírus, houve um aumento de 30% em relação ao ano anterior”, disse Judy Singer, vice-diretora do “Matanat Chaim”. “Este ano, houve uma semana em que fizemos nove transplantes e para a próxima estão agendados outros cinco”, acrescentou.

Segundo o professor Mor, “os números mundiais estão longe dos de Israel” e um exemplo claro a comparar é a Grã-Bretanha: “Com uma população de 60 milhões de habitantes, registrou 130 transplantes altruístas em oito anos. No mesmo período, com uma população de 9 milhões, já foram feitos mais de 500 transplantes aqui ”

Fonte: Ynet Español

Foto: Nefrocuidados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *