Judeus de Miami se mobilizam pelas vítimas do desabamento

Grupos judaicos nos Estados Unidos e uma organização de resgate israelense estão se mobilizando para ajudar as vítimas do desabamento do prédio em Surfside, um subúrbio de Miami, que tem uma grande concentração de membros da comunidade judaica. Cerca de 50% dos residentes de Surfside são judeus ortodoxos, muitos deles filiados ao movimento Chabad Lubavitch.

O prédio de 12 andares desabou pouco antes das 2h da manhã de quinta-feira, enquanto as famílias dormiam em seus 55 apartamentos a poucos quarteirões da praia. Até a noite de quinta-feira, cerca de 100 pessoas estavam desaparecidas e, apesar dos esforços de resgate, as autoridades temem que muitas delas estejam mortas.

Os primeiros socorros retiraram 35 pessoas dos escombros e trataram 10 pessoas no local, com pelo menos duas transportadas para um hospital próximo para atendimento, disseram autoridades em uma coletiva de imprensa.

As equipes de busca e resgate continuam a vasculhar a área, repleta de concreto triturado e metal retorcido em busca de sobreviventes que estavam na parte do prédio que desabou, embora as autoridades indiquem que o número de mortos deve aumentar substancialmente.

“O prédio está literalmente destruído”, disse o prefeito de Surfside, Charles Burkett. “Isso é de partir o coração”.

LEIA TAMBÉM

Um porta-voz do consulado de Israel em Miami disse que Israel ofereceu ajuda de busca e resgate ou outra ajuda às autoridades locais, mas ainda não recebeu uma resposta. As equipes israelenses de busca e resgate são frequentemente enviadas ao exterior para ajudar em missões após terremotos e outros desastres.

No início da manhã, grupos judeus do WhatsApp fervilhavam com nomes e fotografias de pessoas desaparecidas e pedidos de orações. À medida que o dia passava, mais nomes e fotos de pessoas que supostamente morreram no colapso, um dos desastres estruturais mais mortais da história americana, começaram a circular também.

O rabino Sholom Lipskar, da Sinagoga de Bal Harbour, em Surfside, disse que vários membros de sua congregação estavam desaparecidos. “Isso é algo que transcende nossa capacidade de compreensão”, disse ele à CNN.

A Federação Judaica da Grande Miami lançou uma campanha para ajudar as vítimas, estabelecendo um fundo de emergência para ajudar nas necessidades imediatas e de longo prazo. “Faça parte da resposta da comunidade judaica”, disse a federação em um e-mail em massa. “Ajude os afetados pelo colapso das Champlain Towers South em Surfside, FL”.

Em Israel, o United Hatzalah disse que está trabalhando com a El Al para enviar uma unidade de psicotrauma e resposta a crises para ajudar parentes das vítimas, vizinhos, membros da comunidade e outros a lidar com a tragédia.

“Assim que ocorreu o colapso, começamos os preparativos para a partida da missão”, disse o presidente da United Hatzalah, Eli Beer, em um comunicado. “Eles estarão lá assim que os regulamentos permitirem que cheguemos”.

A Hatzalah do sul da Flórida, estava entre as organizações que ajudaram nos esforços de resgate no local do colapso. “Foi um dia difícil”, disse Michael Strongin, um dos 30 voluntários de Hatzalah no local, ao Sun-Sentinel.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, disse que conversou com o cônsul israelense local e com o chefe da Federação Judaica local para oferecer apoio.

“Funcionários do Ministério das Relações Exteriores em Miami e Israel estão fazendo tudo o que podem para ajudar os que estão no local, os feridos e as famílias. É um evento difícil e complexo e levará tempo para lidar com ele. Estamos à disposição para qualquer assistência de que necessitem”, disse Lapid.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Miami-Dade Fire Rescue (Twitter)