Judia holandesa é homenageada, 78 anos depois

Uma judia holandesa, que salvou a vida de centenas de crianças judias durante o Holocausto, foi homenageada em Amsterdã.

Setenta e oito anos depois de sua morte em Auschwitz, Henriëtte Pimentel foi homenageada com a Citação Judaica Rescuers no Verzetsmuseum (Museu da Resistência), um museu que conta a história da “resposta da população civil holandesa à ocupação pelo ditatorial racista regime nazista”, relatou o Dutch News.

Durante a ocupação nazista na Holanda, Pimentel administrou uma creche em Amsterdã, que ficava em frente ao teatro Hollandsche Schouwburg, onde famílias judias foram colocadas antes de serem transportadas para campos de extermínio. A creche conseguiu contrabandear muitos de seus filhos para fora da área em caixas e cestos.

Com os nazistas postados no teatro, mas não na creche, as crianças mais velhas ajudavam os resgatadores da creche a passar secretamente as crianças por pequenas janelas nos bondes que por ali passavam.

Pimentel continuou salvando crianças por nove meses antes de ser pega e presa, em 1943. Ela acabou em Westerbork e depois em Auschwitz, onde foi assassinada dois meses depois. Muitos funcionários da creche e 70 crianças também morreram.

LEIA TAMBÉM

No total, entre 500 e 800 crianças foram resgatadas por membros da creche e salvas pela resistência holandesa.

Pimentel veio de uma grande família judia. Ela era considerada independente como trabalhadora de cuidados infantis, garantindo que cada criança tivesse sua própria cadeirinha e mesa com um vaso de flores, e era conhecida por nunca ter perdido sua “criança interior”, brincando com as crianças sob seus cuidados.

Na cerimônia, organizada pela B’nai Brith International, quatro crianças que Henriëtte Pimentel ajudou a resgatar estiveram presentes.

Fonte: Joodsamsterdam