Knesset anula votação para inquérito de Netanyahu

O presidente do Knesset, Yariv Levin, do Likud, cancelou uma votação para o estabelecimento de um inquérito parlamentar no chamado caso do submarino.

O assunto gira em torno de alegações de que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu interveio na compra de submarinos da Alemanha, contrariando a posição das forças de segurança.

Por meio de votação eletrônica, o Knesset aprovou inicialmente a proposta da oposição de investigar o caso. O chefe da coalizão do Likud, Miki Zohar, afirmou que exigiu uma votação nominal e que seu voto eletrônico não foi registrado.

Levin então anulou os resultados, dizendo que a primeira votação não foi anunciada , porém, nas imagens do Knesset é possível ouvir o anúncio do início da votação, e também aparece no relógio localizado no fundo da sala.

Posteriormente, Levin e o vice-presidente do Knesset, Mansour Abbas, alegaram que o anúncio não havia sido ouvido e que, após olhar as imagens, reafirmaram a decisão de dar um segundo voto.

Netanyahu suspendeu a reunião do gabinete do coronavírus para que os ministros do Likud pudessem participar da segunda votação contra a investigação. A proposta foi rejeitada na segunda votação, enquanto a maioria dos opositores boicotou a votação.

Altos funcionários do IDF, funcionários públicos e várias pessoas próximas a Netanyahu são suspeitos de exigir e receber subornos para promover os acordos com a empresa alemã ThyssenKrupp para a compra de submarinos e barcos patrulha no valor de 1,5 bilhão de euros e 430 milhões de euros, respectivamente,

Na semana passada, o ex-diretor-geral do Ministério da Defesa, general Dan Harel, testemunhou perante a Suprema Corte de Justiça que Netanyahu fez lobby de maneiras incomuns para a compra de um sétimo submarino da ThyssenKrupp. Harel descreveu uma conversa com o primeiro-ministro sobre o assunto: “Tive a impressão de que havia um interesse desconhecido por trás dessa iniciativa de aquisição”.

O procurador-geral Avichai Mendelblit informou ao Supremo Tribunal de Justiça no domingo que não há base razoável para abrir uma investigação contra Netanyahu no caso. Isso levou à proposta da oposição de abrir um inquérito parlamentar sobre o assunto.

Os legisladores da oposição condenaram veementemente o cancelamento da votação. “Se as votações puderem ser canceladas dessa maneira, feche o Knesset”, disse o líder da oposição Yair Lapid.

“Somos um teatro para que Netanyahu possa dar a volta ao mundo dizendo que Israel ainda é uma democracia. Tal conduta também estabelece um precedente para o cancelamento de decisões judiciais. Novas regras de Netanyahu: Vote, se eu não gostar do resultado, vamos cancelá-lo”, escreveu ele no Twitter.

“É uma vergonha inconcebível. A coligação cancelou a votação após a aprovação da minha proposta de inquérito parlamentar. Não permitiremos que votos sejam roubados!” exclamou a deputada do Meretz, Tamar Zandberg.

“É uma pena”, acrescentou o líder do Meretz, Nitzan Horowitz. “Nunca houve tal coisa no Knesset.”

“Vamos apelar para a Suprema Corte”, advertiu Horowitz no Twitter. “Eles não vão roubar votos no Knesset de Israel.”

“Quando os resultados da eleição não forem adequados a Netanyahu, ele também pedirá uma votação nominal?” Avigdor Lieberman, líder de Israel Beitenu, tuitou.

Ayman Odeh, presidente da Lista Conjunta de partidos árabes, disse que “nada resume melhor o fracasso do governo do que suspender uma discussão do gabinete por um voto em outro caso de corrupção de Netanyahu”.

O Movimento para o Governo de Qualidade em Israel anunciou que apelará ao Supremo Tribunal contra a anulação da votação.

“Mais uma vez, o presidente do Knesset está agindo como um capanga do governo e está castrando e cancelando a legislatura de Israel”, disse Tomer Naor do Movimento para o Governo de Qualidade em Israel em referência a um incidente no início deste ano no qual o então presidente do Knesset Yuli Edelstein se recusou a realizar uma votação para seu substituto, embora a Suprema Corte tenha decidido que ele deveria convocá-lo.

A anulação da votação será examinada pelo consultor jurídico do Knesset a pedido do deputado do Meretz, Tamar Zandberg.

One thought on “Knesset anula votação para inquérito de Netanyahu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *