Knesset aprova “Lei Deri” em leitura preliminar

A Knesset aprovou, na noite de terça-feira, em uma leitura preliminar a chamada “Lei Deri”, proposta pelo deputado Moshe Arbel, que permitirá que o presidente do Shas, Aryeh Deri, seja nomeado ministro no próximo governo, apesar de sua condenação por delitos fiscais.

Deri foi sentenciado, em fevereiro, com a uma pena suspensa de um ano, juntamente com uma multa de 180.000 shekalim, como parte de um acordo judicial.

No acordo judicial, Deri não foi impedido de retornar à política com base em torpeza moral, mas foi forçado a renunciar à Knesset.

A proposta de terça-feira foi apoiada por 62 membros da Knesset, contra 53 que votaram contra, e será encaminhada ao Comitê Regulador da Knesset que, por sua vez, determinará o comitê que preparará o projeto de lei para sua primeira leitura.

O ministro da Justiça, Gideon Sa’ar, disse em nome do atual governo: “Esta é uma lei de desvio de torpeza moral, este projeto de lei é uma legislação distintamente pessoal, parece menos uma mudança constitucional e mais um roubo em plena luz do dia. Uma legislação básica pessoal tão brutal, que é a primeira proposta apresentada, é o sinal do que está por vir”.

O acordo entre o Shas e o Likud estipula que, durante a primeira metade do mandato, Deri atuará como ministro do Interior e ministro da Saúde e, na segunda metade do mandato, como ministro das Finanças.

LEIA TAMBÉM

Além disso, o Shas receberá o Ministério dos Serviços Religiosos e o Ministério do Bem-Estar e Previdência Social. Dois outros membros do Shas serão nomeados ministros no Ministério da Educação e no Ministério do Interior.

Deri será vice-primeiro-ministro durante todo o mandato do governo.

Fonte: Israel National News
Foto: המכללה האקדמית ספיר, CC0 (Wikimedia Commons)