Knesset deve ser dissolvida na quarta-feira

O líder da coalizão, deputado Boaz Toporovsky, do Yesh Atid, e a líder do Nova Esperança, Sharren Haskel, se reuniram com o Comitê do Presidente da Knesset esta manhã para garantir que a proposta de dissolver a Knesset fosse inserida na programação da plenária de quarta-feira.

O projeto de lei do Likud para a dissolução da Knesset apresentado pelo deputado Shlomo Karhi já está programado para chegar ao plenário na quarta-feira também, mas a coalizão tenta bloqueá-lo para não permitir que o Likud assuma o crédito pela queda da Knesset.

Projetos de lei privados precisam esperar 45 dias entre sua colocação na agenda do plenário e a votação inicial, a menos que seja decidido de outra forma pelo comitê da Knesset.

A comissão se reuniu na tarde de terça-feira, logo após o projeto de lei ser colocado na agenda de quarta-feira, e aprovou por unanimidade a isenção da espera de 45 dias.

A coalizão espera aprová-lo em votação inicial na quarta-feira.

De acordo com o procedimento da Knesset, o projeto de lei irá então para o Comitê da Knesset, presidido por Nir Orbach. Como Orbach deixou a coalizão, ele pode tentar paralisar a votação para dar ao Likud a chance de tentar formar um governo alternativo sem ir às eleições.

Assim, a coalizão pode tentar substituir Orbach como presidente do comitê. O próprio Orbach pode não lutar muito, pois se o fizer, pode estar se colocando em perigo e correndo o risco de ser declarado um desertor oficial do partido, sendo impedido de concorrer em qualquer um dos partidos atuais da Knesset na próxima eleição, de acordo com uma fonte do partido Yamina.

LEIA TAMBÉM

Se tudo correr bem, a coalizão espera passar as três votações no plenário da Knesset até a próxima quarta-feira.

A coalizão também está debatendo se deve tentar “limpar a mesa” e aprovar todos os seus projetos atuais que estão prontos para segunda e terceira leituras. Isso garantirá que os esforços para levar os projetos de lei até aqui não sejam desperdiçados e dará aos partidos da coalizão uma série de conquistas que elas poderão usar em suas próximas campanhas.

No entanto, a enorme quantidade de votações tomará um precioso tempo de plenário e permitirá que a oposição o use para atacar a coalizão.

A oposição ainda está tentando formar um governo alternativo liderado por Benjamin Netanyahu.

Isso incluiria o Likud, Judaísmo Unido da Torá (UTJ), Azul e Branco, Nova Esperança e Yamina, disse o deputado Uri Makleb do UTJ na Rádio do Exército na manhã de terça-feira.

A UTJ não se oporia ao líder do Azul e Branco e ministro da Defesa, Benny Gantz, tornar-se primeiro-ministro em tal cenário, acrescentou Makleb.

No entanto, as chances de isso acontecer são muito baixas, pois nenhum membro do Nova Esperança ou Azul e Branco indicou em nenhum momento que estaria disposto a fazer tal aliança, de acordo com uma fonte da coalizão.

Netanyahu disse na segunda-feira à noite que tentou iniciar tal movimento, mas que foi bloqueado por parlamentares da coalizão, que ele acusou de hipocrisia, pois concordaram em se sentar com a Lista Árabe Unida e essencialmente escolheram um partido árabe em vez de um sionista.

O líder da oposição acrescentou que não admitiria o líder Ra’am, Mansour Abbas, em uma coalizão liderada pelo Likud.

Fonte: The Jerusalem Post
Fotos: Wikimedia Commons

One thought on “Knesset deve ser dissolvida na quarta-feira

Fechado para comentários.