Lapid e Barlev rejeitam críticas à política de fogo aberto

O primeiro-ministro, Yair Lapid, e o ministro da Segurança Pública, Omer Barlev, reagiram às críticas à política de fogo aberto da polícia, na segunda-feira, depois que a família de um policial que foi atropelado e morto culpou os regulamentos por sua morte.

No início da manhã de domingo, um adolescente palestino da cidade de Ramallah, na Cisjordânia, dirigia um carro que havia roubado na área de Tel Aviv e estava sendo perseguido pela polícia quando atropelou o sargento Barak Meshulam em um posto de controle na estrada 4, perto do cidade de Ra’anana.

No funeral do oficial, sua viúva interrompeu Barlev, que supervisiona a Polícia, e lamentou que as regras de fogo aberto tenham levado à sua morte.

“Vocês não lhes dão permissão para atirar, vocês não os estão protegendo. Eles são como patos sentados”, ela gritou entre lágrimas.

Durante uma reunião na segunda-feira, Lapid disse a Barlev que “apoia totalmente o pessoal da polícia e as outras forças de segurança em sua luta contra o crime e o terrorismo, e aprecia muito sua atividade diária em nome da segurança dos cidadãos de Israel”, segundo um comunicado.

Os dois “enfatizaram que não há mudança nas regras de engajamento dos policiais e que todo policial está autorizado a usar força letal se sentir que está em uma situação em que vidas estão em perigo”.

LEIA TAMBÉM

Após o incidente, o segundo atropelamento mortal nas últimas semanas, o chefe da polícia de Israel, Kobi Shabtai, esclareceu que os policiais estão autorizados a abrir fogo contra “qualquer um que coloque em risco a vida dos policiais, quando tenta passar por um posto de controle”.

Um oficial não identificado da estação de Kfar Saba, à qual o policial morto pertencia, foi citado no domingo pelo site de notícias Ynet dizendo: “Até que tenhamos permissão para atirar em tais casos, os policiais continuarão a ser atingidos e assassinados”.

No mês passado, o policial voluntário Amichai Carmely morreu quando foi atingido por um veículo em um posto de controle montado para verificar motoristas bêbados na cidade de Rishon Lezion.

Organizações e políticos de direita têm criticado o que descrevem como políticas excessivamente rígidas de fogo aberto do país, tanto na polícia quanto nas forças armadas.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Cortesia